A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) publicou nessa quarta-feira (08/11) a resolução normativa com a atualização do Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde, que determina a cobertura mínima obrigatória pelos planos de saúde. O exame de toxoplasmose por PCR através de líquido amniótico foi um dos 18 procedimentos inclusos na lista.

A intenção é oferecer às gestantes um diagnóstico mais sensível para a detecção precoce da infecção congênita, evitando complicações graves para o feto. Além desses procedimentos, que incluem exames, terapias e cirurgias, também houve a ampliação de cobertura para outros sete, compreendendo medicamentos orais contra o câncer, esclerose múltipla e análise de mutação de fatores de coagulação para trombose.

Essa cobertura obrigatória é revisada a cada dois anos pela ANS para garantir o acesso ao diagnóstico, tratamento e acompanhamento das doenças através de técnicas que possibilitem o melhor resultado em saúde.

A última atualização entra em vigor a partir do dia 2 de janeiro de 2018, sendo obrigatória para todos os planos de saúde contratados a partir da entrada em vigor da Lei nº 9.656 de 1998, ou àqueles que foram adaptados à lei.

Os riscos da toxoplasmose durante a gravidez

A forma congênita, passada da mãe para o feto durante a gravidez, costuma ser crítica. O protozoário atinge o feto por via transplacentária causando danos com diferentes graus de gravidade.

A infecção pode levar a abortos espontâneos e bebês natimortos. Pode causar ainda manifestações cerebrais graves, como encefalite, calcificações cerebrais, hidrocefalia, retardo neuromotor e também manifestações hepáticas e oculares como microftalmia, estrabismo e destruição da retina, ocasionando inclusive a cegueira.

As sequelas da infecção por toxoplasmose ao feto dependem da capacidade da resposta imune da mãe e do período gestacional em que a mulher se encontra. Quanto mais cedo a infecção ocorrer, piores os danos e mesmo que o bebê esteja aparentemente normal ao nascer pode ainda desenvolver sequelas na infância ou adolescência.

Mais de 90% dos casos são assintomáticos e por essa razão é essencial para a saúde da mãe e do bebê que seja realizado o acompanhamento e diagnóstico precoce.

DUT para exame de toxoplasmose por PCR em líquido amniótico

Cobertura obrigatória para gestantes com sorologia IgM positiva para toxoplasmose, quando preenchido pelo menos um dos seguintes critérios:

– Quando o resultado do IgM for maior que 2

– Quando o resultado do IgM estiver entre 1 e 2 na primeira testagem e aumentar na segunda testagem, realizada após intervalo de 3 a 4 semanas

Fatores de coagulação – Protrombina e Fator V de Leiden

Alterações de DUT

A protrombina e Fator V de Leiden são fatores de coagulação que estão relacionados à trombofilia, levando a tendência de fenômenos trombóticos venosos ou arteriais.

Por promoverem alterações na cascata de coagulação sanguínea, podem aumentar o risco para trombose, além de estarem relacionados com o risco elevado no desenvolvimento de doenças cardiovasculares.

O período gestacional é também marcado pela tendência de aumento da coagulação. Em mulheres que já possuem alguma mutação genética, esses fatores contribuem com a probabilidade de desenvolver a trombose, ocasionando diversas complicações para a mãe e até mesmo a morte do bebê. As trombofilias são uma das principais causas de abortos sucessivos e estão relacionadas com restrições no crescimento intrauterino, pré-eclâmpsia e partos prematuros.

As alterações nas diretrizes de utilização (DUT) de protrombina e Fator V de Leiden ampliaram o alcance do exame a agora abrangem um número maior de pacientes, como pacientes com histórico familiar para trombofilia, com tromboembolismo venoso (TEV) e ainda com antecedentes de pré-eclâmpsia ou que tiveram abortamentos espontâneos.

Soluções em diagnóstico XGEN para toxoplasmose e trombofilia

O diagnóstico é fundamental para que seja realizado um acompanhamento médico correto a fim de decidir a melhor conduta e ações de prevenção que devem ser tomadas, evitando complicações para os pacientes.

A XGEN oferece uma diagnóstico eficiente e sensível através da metodologia de PCR em Tempo Real para toxoplasmose e fatores de coagulação. Os resultados são realizados em até 2h30 com precisão, agilidade e alto desempenho.

Toxoplasmose

– Infecções fetais podem ser diagnosticadas cedo através da análise de líquido amniótico

– Diagnóstico rápido e sensível, principalmente se comparado a outras metodologias

– Teste para diagnóstico molecular com registro na ANVISA (n° 80502070009)

Saiba mais clicando aqui.

Trombofilia – fatores de coagulação

– Detecção das principais mutações relacionadas às trombofilias: Protrombina (Fator II), Fator V de Leiden, enzima MTHFR C677T e MTHFR A1298C  e inibidor do ativador do plasminogênio tipo 1 (PAI-1)

– Resultados confiáveis e clinicamente relevantes para minimizar as incertezas no diagnóstico

– Todos os testes para fatores de coagulação possuem registro na ANVISA (80502070031, 80502070032, 80502070026, 80502070028, 80502070055)

Saiba mais clicando aqui.

 

XGEN – Soluções Completas em Diagnóstico

Comercializado por Biometrix Diagnóstica

0800 726 0504

(41) 2108-5250

comercial@biometrix.com.br

Tags:

ANS, Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde, toxoplasmose por PCR, trombofilia, XGEN

Compartilhe: