Na Constituição da República Federativa do Brasil, reza que todo cidadão tenha direito à moradia adequada, com acesso à educação, transporte, saúde, lazer e saneamento básico. É dever do poder público garantir à população o acesso a estes serviços, porém, a conscientização de cada um é fundamental, principalmente no setor de saneamento.

No cenário atual, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2012, o maior aumento na rede de saneamento ocorreu na região Sul do país, que passou de 35,7% para 42,3%. A região Norte manteve-se estável em relação a 2011 (13%) e com um percentual bem menor que o Sudeste (84,1%). Mas o que pensa o brasileiro sobre o saneamento, qual sua importância e os impactos da ausência deste serviço? A maioria da população consegue responder a estas questões, mas será que todos conhecem seus deveres?

Em 22 de setembro foi comemorado o dia do Tietê, o que nos faz lembrar a importância desse rio que passa por toda a cidade. No Estado de São Paulo, somente dentro Projeto Tietê, de acordo com a Sabesp, Companhia de Saneamento de São Paulo, são mais de 560 empreendimentos espalhados em 25 municípios, simultaneamente em toda Grande São Paulo para construir ou ampliar Estações de Tratamento de Esgoto, instalar novas tubulações de grande porte (interceptores e coletores-tronco), aumentar as redes coletoras nos bairros e novas ligações domiciliares. Com isso, o esgoto gerado nas casas, prédios, comércio e indústria é encaminhado até o tratamento e devolvido despoluído à natureza.

E qual é a responsabilidade da população? Na véspera do Dia do rio Tietê, cerca de dez toneladas de lixo foram recolhidas das margens do rio, entre Pirapora do Bom Jesus, na Grande São Paulo, e Porto Feliz, região de Sorocaba. Pneus velhos, garrafas PET, plásticos, latas e isopor lançados ou carreados para a margem do mais importante rio paulista; tudo proveniente do descaso da população.

Calcula-se que apenas metade do lixo produzido diariamente no país é coletada.  Uma pesquisa realizada em 2005 revela que a Bacia do Tietê poderá receber diariamente 300 toneladas do lixo jogado nas ruas. Cerca de 35% da poluição acumulada na Bacia do Rio não vem do esgoto, mas do lixo jogado nas vias públicas.  Diariamente, o Tietê recebem toneladas de sacolas plásticas, garrafas, latas e outros tipos de lixo abandonados por moradores da Região Metropolitana. Dados da Sabesp revelam que se a situação permanecer assim, em 2015 esse lixo deverá representar 65% da sujeira despejada diariamente na Bacia.

Atualmente a Sabesp executa a terceira etapa do Projeto Tietê com obras destinadas a elevar os índices de cobertura com coleta e tratamento dos esgotos. A meta é passar dos atuais 84% na coleta para 87%, e o tratamento de 70% para 84%.

 

Compartilhe:

Karla Ichiba
Publicado por Karla Ichiba

Karla Ichiba é diplomada em política pelo Governo do Estado de São Paulo e em assessoria política pelo Grupo Marco Iten. Estudou no Colégio Santa Cruz, é jornalista pela FIAM e publicitária pela FAAP. Atuou na Petrobras em comunicação e responsabilidade social e atualmente trabalha na Companhia de Saneamento do Estado de São Paulo (Sabesp).

Este conteúdo é de responsabilidade do colunista e não expressa a opinião do LabNetwork.