Não é raro vermos estudantes e recém-formados reclamando da falta de emprego e salários injustos, já que estudamos tanto durante a graduação. Mas é durante esse período que poderíamos ter a oportunidade de desenvolver um espírito empreendedor, só que quase todas as faculdades da área da saúde não instigam os estudantes a desenvolver tal espírito.

Elas [as faculdades] passam o conhecimento aos alunos e, às vezes, ensinam como conseguir um emprego, nada além disso. Mas será que só há esse caminho? Por que não ser seu próprio chefe e fazer a diferença, criar algo inovador?

 

Mas o que é um empreendedor?

O empreendedor é uma pessoa que dá início a uma organização, que identifica oportunidades, prepara-se e reúne os recursos necessários, sejam estes humanos, financeiros ou tecnológicos, para concretizar sua ideia. Ele insiste, persiste, persuade e busca alternativas para chegar aos seus objetivos e provar suas teorias.

 

Área da saúde

Em outros setores é relativamente mais fácil, mas e na área da saúde? Os profissionais da área têm espírito empreendedor? Sabem enxergar oportunidades? Têm a ousadia de arriscar tempo, esforço e dinheiro para dar vida a um sonho?

Na área da saúde é muito difícil responder essas questões, porque não somos formados para isso, e menos ainda motivados para buscar soluções, criar modelos alternativos e inovar.

As faculdades de saúde focam na formação assistencial, de tratamento, de pesquisa científica, e para completar a dependência, também ensinam obediência e hierarquia, uma vez que durante quase toda nossa vida acadêmica e também profissional, que tratamos e convivemos com pacientes, temos alguém superior a nós, alguém que nos ajudará a resolver nossas deficiências assistenciais.

E quem nasce com essa inquietude empreendedora, acaba se desmotivando, sentindo-se sozinho, incompreendido, como agulha no palheiro e termina por se acomodar ao sistema, perdendo seu espírito e esquecendo sua essência.

Espero que esse cenário mude logo, pois é através de pessoas inovadoras que grandes mudanças acontecem. Pode ser a mudança de um setor, ou até de um sistema inteiro. Se você é uma dessas pessoas, não desista.

Compartilhe:

Publicado por Brunno Câmara

Biomédico com habilitação em Análises Clínicas, residente em Hematologia e Hemoterapia no Hospital das Clínicas - UFG (HC-UFG). Cofundador e ex-presidente da Liga Acadêmica de Análises Clínicas da Faculdade Padrão. Criador e administrador do blog Biomedicina Padrão.

Este conteúdo é de responsabilidade do colunista e não expressa a opinião do LabNetwork.