A relevância dada pela população, governantes e mídias em relação às vacinas estão em destaque desde 2020, devido à pandemia causada pelo vírus da Covid-19, mas antes de meados do século passado, havia várias doenças que afetavam a população no mundo inteiro, tendo altas taxas de transmissão e mortalidade, como poliomielite, sarampo, coqueluche. Ao decorrer dos anos, vários imunizantes foram desenvolvidos e amplamente utilizados. À medida que grande parte das populações foi vacinada, essas doenças tiveram suas taxas reduzidas e até por tempos desapareceram em diversos países.

Para enfermidades que antes afetavam e matavam milhares de pessoas não retornem na atualidade, é de extrema importância que as taxas de vacinação se mantenham altas. No Brasil, por exemplo, a meta de porcentagem da cobertura vacinal para sarampo é igual ou superior a 95%. Mesmo que a vacina tenha grande eficácia, é importante que maciça parte da população receba o imunizante, para que a circulação do vírus fique retraída e evite o surgimento de novas variantes ou possíveis novos surtos.

O vírus do sarampo é transmitido pelo ar, através da eliminação de gotículas pela tosse, espirro, fala e respiração, estando presente durante o ano todo, sendo agravadas as infecções nos períodos de outono e inverno. É uma doença infecciosa altamente contagiosa, muito comum em crianças, podendo levar a quadros graves, como lesão cerebral. Vírus da família Paramyoxoviridae é o responsável pela doença, tendo um período de incubação de 10 a 12 dias, aparecendo sintomas como febre alta, manchas de Koplik na mucosa oral, podendo evoluir até para casos de pneumonia.

A análise clínica do paciente é confirmada a partir de exames sorológicos, com a detecção de anticorpos IgM, que são reagentes a partir do segundo dia de exantema e perdura positivo por até quatro a seis semanas posteriores. O IgG também é dosado, para verificação dos títulos e podem ser detectados durante toda a vida. Países com o objetivo da erradicação da doença, a dosagem é de suma importância em casos de suspeita, além disso, são utilizados para vigilância epidemiológica, tendo os casos positivos notificados ao ministério da saúde.

A metodologia ELISA é uma das mais recomendadas para dosagem sorológica de sarampo, sendo amplamente utilizada nos laboratórios, inclusive pela rede laboratorial de saúde pública no Brasil. A Serion Brasil fornece aos seus clientes kits para detecção de anticorpos IgG e IgM do Measles Vírus, tendo excelentes especificidades e sensibilidades.

Mais informações:
(41) 3089-2070 | 99928-0068
[email protected]

Tags:

exames sorológicos, metodologia ELISA, sarampo, vacinação

Compartilhe: