O mieloma múltiplo é o câncer que acomete um tipo de célula da medula óssea denominada plasmócito, as quais são responsáveis pela produção de anticorpos que combatem vírus e bactérias.

No mieloma múltiplo, os plasmócitos são anormais e se multiplicam numa velocidade maior que a normal, comprometendo a produção das outras células do sangue, como consequência, os pacientes podem ter anemia e ficam sujeitos a infecções.

Os plasmócitos anormais também produzem uma proteína anormal, chamada de proteína monoclonal, que se acumula no sangue e na urina. As células doentes também podem afetar os ossos, causando dores e fraturas espontâneas.

É a segunda doença onco-hematológica com maior prevalência no mundo.

Em entrevista exclusiva ao Portal Oncoguia, Merula Steagall, presidente da Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (ABRALE), falou sobre a realidade do mieloma múltiplo no Brasil: “Por ano, estima-se que 7.600 brasileiros recebem o diagnóstico da doença e, a falta de conhecimento sobre o assunto, implica em diagnósticos tardios, que restringem as opções de tratamento”.

Sobre o diagnóstico da doença ela destacou a importância do teste da eletroforese de proteínas: “A eletroforese de proteínas séricas (SPEP) é um exame para medir a quantidade total de imunoglobulina no sangue e detectar qualquer imunoglobulina anormal. Este é um exame fiel no diagnóstico, principalmente em aproximadamente 75% dos pacientes nos quais há aumento do pico de globulinas”.

No Brasil, a Sebia, líder de mercado neste segmento, triou 3 milhões de pacientes e contribuiu para o diagnóstico do mieloma múltiplo.

Tags:

eletroforese de proteínas, mieloma múltiplo, Sebia

Compartilhe: