Os métodos de purificação da água para aplicações na área científica e médica têm como objetivo retirar as impurezas da água potável

A água para a maioria das aplicações clínicas e laboratoriais é normalmente purificada a partir da água potável. No entanto, a capacidade da água para dissolver (de certa forma) virtualmente todos os compostos químicos e sustentar, praticamente, todas as formas de vida, significa que o fornecimento de água potável contém muitas substâncias em solução ou suspensão; as impurezas adicionais resultam do processo de tratamento da água potável.

Para além disso e ao contrário de outras matérias não tratadas, a água potável pode variar significativamente as características dependendo da região geográfica e das estações do ano.

Nos laboratórios atuais, a disponibilidade de água pura é um fator essencial, e enquanto que os consumidores domésticos consideram a água da torneira como sendo “pura”, os cientistas de laboratório e profissionais de saúde olham para esta como estando altamente contaminada.

Os cientistas analíticos e investigadores preocupam-se com os elementos e compostos em concentrações baixas (gamas de partes por bilião (ppb) ou inferiores). Grande parte destes contaminantes podem ter efeitos negativos em aplicações através da interação com outras substâncias, incluindo a substância em análise.

As 5 classes de impurezas na água:

– Partículas em suspensão

– Compostos inorgânicos dissolvidos

– Compostos orgânicos dissolvidos

– Microrganismos e biomoléculas

– Gases dissolvidos

Os métodos de purificação da água para aplicações na área científica e médica têm como objetivo retirar as impurezas da água potável enquanto minimiza a contaminação adicional dos componentes do sistema de purificação e o crescimento bacteriano.

Existe uma grande variedade de diferentes normas publicadas que definem a qualidade da água necessária para aplicações específicas.

A ASTM® (American Society for Testing and Materials) e a ISO® (International Organization for Standardization) 3696 fornecem diretrizes para aplicações laboratoriais; as diretrizes CLSI® (Clinical and Laboratory Standards Institute) definem os requisitos de qualidade da água para laboratórios clínicos. Determinados laboratórios irão também adotar normas delineadas na Farmacopeia Europeia, Americana ou Japonesa. Contudo, muito poucas destas normas são específicas para a sua aplicação particular; ir demasiado longe irá resultar em custos desnecessários, enquanto não ir suficientemente longe irá colocar em risco a precisão dos resultados.

Como a Veolia identifica a qualidade da água potável

Os mais de 70 anos de experiência na indústria de água para laboratório, em conjunto com a experiência da Veolia na gestão de muitos planos de tratamento para água municipal, proporcionam um conhecimento sem igual sobre as qualidades da água de alimentação, por todo o mundo. Na primeira visita que a Veolia faz ao laboratório é efetuado um ensaio no local para análise da qualidade da água de alimentação. Com dados sobre a qualidade da água do laboratório, aplicações necessárias, design e orçamento, a equipa de vendas irá entregar uma proposta com informações acerca das melhores soluções de purificação de água para se adaptarem às necessidades laboratoriais.

Para mais informações: [email protected]

Tags:

água potável, água pura, contaminantes, Veolia

Compartilhe: