Cristovam Scapulatempo Neto, patologista molecular da GeneOne, marca de genética da Dasa, conta ao Portal LabNetwork o que viu na última reunião anual da ASCO

O uso de painéis genômicos em amostras tumorais no diagnóstico de carcinomas também foi muito discutido no encontro da ASCO

As descobertas que visam ampliar o alcance da medicina de precisão em todo o mundo foram apresentadas de 1 a 5 de junho no congresso anual da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO), em Chicago. Destaque para as inovações em Oncogenética. Um estudo com 15 mil amostras de tumores ampliou o conhecimento sobre a síndrome de Lynch, uma alteração genética que, segundo os pesquisadores, está associada com predisposição hereditária não apenas para câncer colorretal e de endométrio, como também para vários outros tipos de câncer, como pâncreas, próstata, bexiga, fígado, rim, dentre outros.

Essa descoberta reforça a importância do teste genético expandido para identificar mais pessoas e famílias com síndrome de Lynch, propiciando que elas tenham acesso às estratégias de prevenção recomendadas para população de alto risco. Seguindo essa linha, a GeneOne, marca de genética e medicina de precisão do Grupo Dasa, disponibiliza o painel que investiga as mutações nos cinco genes mais prevalentes na síndrome de Lynch, assim como oferece o painel que faz a leitura de 27 genes associados com hereditariedade. Compondo o painel de Câncer hereditário e também do Câncer de mama e ovário hereditários da GeneOne estão os genes associados  à recombinação homóloga do DNA, que estão sendo cada vez mais consolidados como biomarcadores de resposta aos inibidores de PARP em casos de câncer de ovário, pâncreas e de próstata.

O uso de painéis genômicos em amostras tumorais no diagnóstico de carcinomas também foi muito discutido e cada vez mais serão utilizados pelo quantidade de informação que provêm com o uso de uma quantidade muito pequena de tecido. Os painéis mais amplos oferecem uma maior oportunidade de identificar as mutações menos prevalentes, sendo uma estratégia fundamental para o diagnóstico diferencial, gerando assertividade para o planejamento terapêutico.

Cristovam Scapulatempo Neto, patologista molecular da GeneOne

Acompanhando essa tendência, a GeneOne oferece  ao mercado o teste TARGET One que detecta mutações, amplificações e fusões envolvendo 52 genes. A grande vantagem de se realizar um painel genômico no diagnóstico é, além de aumentar a chance de se detectar uma mutação de sensibilidade e/ou resistência à drogas alvo, também aumenta a chance de fornecer um biomarcador que pode ser utilizado para o seguimento do paciente.

E como maneira de seguimento do tratamento e/ou para uso no diagnóstico, a biópsia líquida foi uma das grandes sensações do ASCO 2018. Cada vez mais presente no manejo do paciente oncológico, principalmente para detecção de mutações de resistência durante o tratamento oncológico, a GeneOne também oferece as biópsias líquidas dirigidas para pacientes com melanoma, câncer de pulmão e cólon, assim como a biópsia líquida com 14 genes acionáveis.

Muitos trabalhos foram apresentados mostrando os benefícios da imunoterapia, principalmenten em câncer de pulmão, bexiga e estômago.  Com importância cada vez maior como biomarcador de resposta à imunoterapia, a carga mutacional,  ou tumor mutation burden e, mais importante como nunca, a associação da expressão imuno-histoquímica de PDL-1 nos carcinomas não pequenas células de pulmão com um cutoff de pelo menos 1% foi associado a resposta à imunoterapia, em monoterapia ou combinada com quimioterapia convencional, como demonstrado nos estudos Keynote 407 e Keynote 407. Pensando nesse importante teste também a GeneOne oferece a nossos clientes a pesquisa imuno-histoquímica para PDL-1.

Ao longo dos cinco dias, o ASCO 2018, que reuniu 32 mil profissionais de Oncologia, trouxe também  estudos que sugerem novos marcadores terapêuticos para o câncer de mama avançado, potencial da biópsia líquida em se tornar estratégia eficaz para diagnóstico precoce de câncer de pulmão, assim como evidências que apontam a medicina personalizada como sendo capaz de aumentar a expectativa de vida dos pacientes oncológicos.

Tags:

Grupo Dasa, medicina de precisão, síndrome de Lynch, Sociedade Americana de Oncologia Clínica, teste genético

Compartilhe: