O mês de junho foi escolhido para ser o mês de conscientização da importância do programa de triagem neonatal no Brasil

As técnicas utilizadas no mercado para a pesquisa de hemoglobinas variantes nos recém-nascidos são: focalização isoelétrica, HPLC e Capilaridade

A triagem neonatal é uma ação preventiva que permite fazer o diagnóstico de diversas doenças congênitas, assintomáticas no período neonatal, a tempo de se interferir no curso da doença, permitindo, desta forma, a instituição do tratamento precoce específico e a diminuição ou eliminação das sequelas associadas à cada doença.

No Brasil, a triagem neonatal – Teste do Pezinho – foi instituída no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) por meio da portaria GM/MS nº. 22 de 15 de Janeiro de 1992 com legislação que determinava a obrigatoriedade do teste de triagem para fenilcetonúria e hipotireoidismo congênito em todos os nascidos vivos.

No ano de 2001 a triagem neonatal foi reestruturada com os objetivos de ampliação da gama de doenças triadas (fenilcetonúria, hipotireoidismo congênito, anemia falciforme e outras hemoglobinopatias e fibrose cística), na busca da cobertura de 100% dos nascidos vivos e de definição de uma abordagem mais ampla da questão. Nessa nova abordagem considera-se a triagem neonatal como um processo que envolve várias etapas, compreendendo a realização do exame laboratorial, a busca ativa dos casos suspeitos, a confirmação diagnóstica, o tratamento e o acompanhamento multidisciplinar especializado desses pacientes.

Dessa forma, em 06 de junho de 2001, o Ministério da Saúde, por meio da portaria GM/MS 822, instituiu, no âmbito do SUS, o Programa Nacional de Triagem Neonatal (PNTN)*.

A abrangência do programa ainda não atingiu os 100% desejados pelo MS mas vem aumentando a cada dia.

É extremamente importante que todos recém-nascidos façam os testes preferencialmente nos primeiros dias de vida e mais importante ainda, é que em caso de resultados alterados, principalmente das hemoglobinopatias, estes resultados sejam guardados e lembrados por toda a vida do paciente, mesmo quando assintomáticos, a fim de evitar problemas futuros.

As técnicas utilizadas no mercado para a pesquisa de hemoglobinas variantes nos recém-nascidos são: focalização isoelétrica, HPLC e Capilaridade, sendo que esta última é a mais recente e, consequentemente, mais moderna.

O Capillarys Neonat Fast da Sebia foi desenvolvido para atender a demanda da triagem das hemoglobinopatias em papel de filtro (amostra seca), é o mais rápido do mercado e o único que garante rastreabilidade total ao teste. São 48 testes liberados por hora, com excelente resolução e detecção das hemoglobinas variantes.

Para mais informações: (11) 3849-0148

Fonte:
https://www.fcm.unicamp.br/fcm/cipoi/triagem-neonatal. Acesso em 12/06/2019 às 14:30.

Tags:

Capillarys Neonat Fast, Sebia, teste do pezinho, triagem neonatal

Compartilhe: