Para Lídia Abdalla, presidente executiva do Sabin, a liberação para reabertura das empresas dará novo impulso à economia, mas o processo de retomada deve ser feito com segurança, seguindo os protocolos de saúde

Lídia Abdalla, presidente executiva do Sabin

A semana começa com o país superando o número de 1 milhão de casos confirmados de coronavírus. Enquanto isso, centenas de cidades brasileiras flexibilizam as medidas de distanciamento social e retomam, gradualmente, as atividades econômicas.

Aos poucos, milhares de estabelecimentos comerciais dos mais diversos portes e setores reabrem suas portas, na tentativa de revitalizar a saúde financeira do país, abalada pela pandemia. Este passo rumo ao retorno das atividades é importante para contribuir com a redução dos reflexos financeiros, mas também acende um alerta para que as empresas adotem novas estratégias e planos de ação efetivos que garantam o sucesso desta nova etapa, como investir em uma rotina de triagem, monitoramento e testagens para detecção da Covid-19.

Especialistas são unânimes em afirmar que a prevenção de novas ocorrências, estratificação do perfil de saúde populacional, monitoramento das condições de saúde de profissionais, e a segurança de clientes nos estabelecimentos são fundamentais para este cenário do mercado pós-pandemia. Manter uma rotina diária de higienização e contenção dos espaços, reforçar providências sanitárias – como uso do álcool em gel e máscaras de proteção -, além do distanciamento físico, estão entre as principais determinações das autoridades.

Para contribuir com o sucesso deste ‘novo normal’, o Grupo Sabin anunciou a ampliação do seu portfólio de serviços para empresas. A empresa remodelou o sistema para atender também as necessidades das companhias brasileiras de testar seus colaboradores e promover uma reabertura organizada e segura. Esse serviço engloba a consultoria e a estruturação de protocolos de triagem, monitoramento e testagem para os colaboradores, bem como as recomendações técnicas a partir dos resultados da testagem do grupo populacional da empresa. O serviço é estruturado de forma personalizada, a partir da construção de protocolos que se adaptem à atividade de cada empresa.

O Grupo Sabin está assistindo empresas nos setores de mineração, telefonia, farmacêutica, energia, construção civil e serviços para a retomada das operações produtivas, identificando os melhores métodos de rastreio para garantir a saúde e segurança dos funcionários e a utilização racional dos testes atrelados a protocolos de segurança sanitária. Esse novo serviço conta com o suporte e expertise da equipe médica e técnica do Grupo.

De acordo com a presidente executiva do Sabin, Lídia Abdalla, o novo serviço reforça o compromisso do Sabin em fortalecer e dar segurança na retomada da economia dentro de padrões de segurança sanitária para colaboradores e clientes. “Testar de forma coordenada e racional é imprescindível diante deste novo cenário de retomada. A estruturação de protocolos de triagem, monitoramento aliados ao diagnóstico seguro e preciso vai permitir ações mais assertivas para a gestão da saúde dos funcionários e um uma retomada mais organizada para as empresas e indústrias”, explica.

Saúde, segurança e produtividade

O Grupo Sabin conta com duas opções de testes para Covid-19. “Desde os primeiros registros de casos de coronavírus, nos empenhamos em responder da melhor forma a esta crise, sem precedentes. Desenvolvemos, em apenas 20 dias, com metodologia própria, o teste molecular RT-PCR para detecção do vírus. Mas, observando as necessidades do mercado, também investimos em ampliação da oferta, e incluímos os testes sorológicos em nosso portfólio. São medidas importantes e decisivas neste enfrentamento. Agora, diante deste cenário, totalmente novo, o mundo corporativo pode contar com a medicina diagnóstica para reabrir seus empreendimentos, como também para fazer isso de forma planejada e, principalmente, segura”, destaca a presidente.

Abdalla afirma ainda que a testagem é imprescindível para compreender a extensão da pandemia e como poderá impactar diretamente as corporações. “As medidas econômicas devem ser prioritárias. Entretanto, estamos diante de um processo de retomada que requer atenção, planejamento e organização para que não sejam em vão os esforços realizados até agora. Líderes precisam de colaboradores saudáveis, ambientes controlados e seguros. As empresas devem ser estruturadas de forma que a qualidade de vida seja valorizada. São essas práticas que fomentam ganho de produtividade e resultados positivos a curto, médio e longo prazos”, finaliza.

Tags:

coronavírus, Grupo Sabin, Lídia Abdalla

Compartilhe: