Com a pandemia causa pelo Covid-19, os holofotes se viraram para o vírus vindo de Wuhan, mas as outras doenças infecciosas continuam sendo focos de mortes e quadros grave em pacientes de diversos países. Arboviroses, como a dengue, são um dos graves problemas de saúde enfrentados pelo Brasil, por exemplo. Relatos de março, do boletim epidemiológico feito pelo governo federal, mostram uma redução no registro nos casos de morte ou infecção de dengue no período deste ano comparado a 2020. Essa redução pode estar ligada justamente com o início da pandemia no Brasil, que começou em fevereiro de 2020 e pode ter gerado uma subnotificação ou atraso das notificações das arboviroses, consequência da mobilização dos serviços de saúde para o enfrentamento da pandemia.

Arbovirose do gênero Flavivírus, a dengue é transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti fêmea infectado pelo vírus. São conhecidos os sorotipos 1, 2, 3 e 4, sendo uma enfermidade não contagiosa, ou seja, não é transmitida de uma pessoa a outra. É uma doença que se expande por todo o país e que para seu controle depende, principalmente, da população, que deve assumir sua responsabilidade e evitar ambientes com água parada, para que o surgimento de criadouros do mosquito seja amplamente reduzido.

Após a picada pelo mosquito infectado, o tempo de incubação do vírus pode variar de três a 15 dias, sendo que a média para início dos sintomas é de cinco ou seis dias. Existem pessoas que não apresentam sinais da doença e outras que apresentam as formas mais graves, como a hemorrágica, dessa forma podemos dizer que a dengue é doença infecciosa aguda de gravidade variável.

Para seu diagnóstico são pesquisados os sintomas clínicos, como febre intensa, dores fortes nos olhos, na musculatura, podendo aparecer erupções na pele. Para complemento e confirmação da infecção, geralmente são solicitados exames sorológicos para detecção de anticorpos IgM e IgG. A Serion Brasil disponibiliza para seus clientes kits ELISA altamente específicos e sensíveis para detecção dos anticorpos específicos da dengue, adaptáveis a equipamentos automatizados, facilitando e otimizando o serviço laboratorial no apoio aos sistemas de saúde.

Tags:

Aedes aegypti, dengue, Serion Brasil

Compartilhe: