Uma equipe envolvendo pesquisadores da Alcediag, do Hospital Universitário de Montpellier, do Centro de Psiquiatria Les Toises em Lausanne e o professor David J. Kupfer da Universidade de Pittsburgh identificou e validou uma combinação de biomarcadores sanguíneos específicos para o transtorno bipolar. Esses resultados, publicados recentemente na importante revista científica Nature, levaram ao desenvolvimento do primeiro exame de sangue diagnóstico para esse distúrbio que afeta mais de 60 milhões de pessoas em todo o mundo

Este teste, com alto desempenho diagnóstico, especificidade e sensibilidade superior a 80%, é possível graças ao uso combinado de edição de RNA e inteligência artificial (IA). Os seis biomarcadores identificaram modificações de correspondência na sequência de RNA de genes associados ao transtorno bipolar

A Alcediag, empresa francesa especializada em psiquiatria de precisão e pioneira em diagnóstico biológico em saúde mental, anuncia a publicação, na Nature: Translational Psychiatry, de um estudo que identificou um painel de seis biomarcadores sanguíneos para o transtorno bipolar.

Embora o número de pessoas que sofrem de depressão seja estimado em 300 milhões em todo o mundo, até 40% delas podem realmente ser afetadas pelo transtorno bipolar. Este distúrbio crônico é caracterizado pela alternância de fases depressivas e maníacas. As fases depressivas assemelham-se à chamada depressão unipolar tornando o diagnóstico complexo e demorado. Como resultado, os atrasos no diagnóstico são significativos, ultrapassando a média de sete anos. No entanto, o manejo e os tratamentos para transtorno bipolar e depressão diferem significativamente, tornando fundamental o diagnóstico oportuno e confiável.

Pela primeira vez, o estudo liderado pela Alcediag, incluindo uma coorte de 410 indivíduos, fornece um teste tão confiável e preciso capaz de diferenciar as fases depressivas do transtorno bipolar da depressão unipolar. Este teste, com alto desempenho diagnóstico, especificidade e sensibilidade superior a 80%, é possível graças ao uso combinado de edição de RNA e inteligência artificial (IA). Os seis biomarcadores identificaram modificações de correspondência na sequência de RNA de genes associados ao transtorno bipolar.

O trabalho aqui apresentado é continuado por um projeto europeu chamado EDIT-B, em homenagem ao teste, e apoiado pelo EIT Health (Instituto Europeu de Inovação e Tecnologia para a Saúde). Este projeto visa a validação regulatória de acordo com o regulamento europeu IVDR 2017/746. Lançada em março, esta parceria público-privada reúne o Alcediag, o Centro de Psiquiatria da região de Copenhague na Dinamarca (Prof. L. Kessing), o Hospital Clínico de Barcelona e sua fundação Hospital Clínic de Barcelona e Fundació Clinic per la Recerca Biomèdica (Prof. E.Vieta), o GHU Paris Psychiatry & Neurosciences (Prof. C.Henry), o Hospital Parc Sanitari Sant Joan de Déu e sua Fundação Sant Joan de Déu (Prof. JM.Haro), ProductLife Group e Synlab .

“Estou feliz e orgulhoso de ver este artigo publicado na revista Nature: Translational Psychiatry“, disse Dinah Weissmann, vice-presidente da Alcediag. “A importância do trabalho de nossa equipe está em aproveitar o poder da edição de RNA, um mecanismo que regula a estabilidade do RNA, splicing, expressão gênica e síntese de proteínas para criar um teste de alto desempenho capaz de diferenciar entre depressão unipolar e depressão bipolar, abrindo caminho para um diagnóstico mais rápido e preciso.”

O professor David Kupfer, do Departamento de Psiquiatria da Escola de Medicina da Universidade de Pittsburgh (EUA), acrescenta: “Já mencionei antes como é importante que os psiquiatras que tratam os pacientes possam fornecer um diagnóstico preciso o mais rápido possível, para que o tratamento correto possa começar o mais rápido possível. Sinto-me honrado por ter participado da pesquisa que torna, pela primeira vez, um teste de alto desempenho para diagnosticar com precisão a depressão bipolar uma realidade.”

Jean-Philippe Lang, Diretor Médico do Centro Psiquiátrico e Psicoterapêutico Les Toises e consultor especializado da Alcediag observou: “Estou orgulhoso da conquista da Alcediag e da equipe de pesquisa em mostrar evidências clínicas de que o EDIT-B, um teste de alto desempenho, é para diferenciar a depressão unipolar da bipolar e ajudar os médicos em psiquiatria a fornecer um diagnóstico mais preciso mais rápido aos seus pacientes, melhorando assim o ciclo geral de atendimento e os resultados para eles.”

Tags:

biomarcadores sanguíneos, diagnóstico biológico em saúde mental, transtorno bipolar

Compartilhe: