Os dados estatísticos do ano de 2020 levantados pela UNAIDS mostram que 36,6 milhões de pessoas no mundo estavam vivendo com HIV. Dessas, seis milhões desconheciam estar com a doença. Mesmo com os números de infecções em queda por mais de duas décadas – em 2020, houve 1,5 milhões novas infecções por HIV, comparado com 2,8 milhões em 1998 – a incidência ainda é alta1

No ano de 1985, em uma das maiores conquistas da medicina diagnóstica, a Abbott teve o primeiro ensaio licenciado pela U.S. Food and Drug Administration (FDA) para identificar o vírus no sangue

Para a Abbott, o Dezembro Vermelho é um mês significativo em sua jornada de cuidados em saúde. Pioneira no setor de diagnóstico, a companhia se destaca por suas ações de combate ao HIV, enfatizando a importância do diagnóstico como um aliado para a detecção precoce, que pode levar a diversas opções de tratamento, à melhora da qualidade de vida do paciente e diminuição das transmissões2,3.

O acompanhamento de perto dos avanços diagnósticos desde os primeiros achados do vírus HIV resultou, no ano de 1985, em uma das maiores conquistas da medicina diagnóstica. A Abbott teve o primeiro ensaio licenciado pela U.S. Food and Drug Administration (FDA) para identificar o vírus no sangue4.

A natureza evolutiva rápida do HIV torna a detecção um constante desafio para o laboratório. E para diminuir cada vez mais as janelas sorológicas e identificar novos tipos e evoluções de vírus e bactérias, a Abbott trabalha constantemente na inovação de seus equipamentos e tecnologias para diagnóstico5.

O médico infectologista Celso Granato, Diretor Clínico do Grupo Fleury e Professor Adjunto da Universidade Federal do Estado de São Paulo (Unifesp), comenta o valor dos testes diagnósticos, e como a tecnologia empregada deve ser um fator decisivo para um resultado de qualidade: “A alta sensibilidade é um dos quesitos mais importantes para um teste seguro, pois é o que vai oferecer um resultado o mais confiável possível, mesmo que seja realizado dentro de uma suposta janela imunológica. A especificidade também é fundamental, principalmente para esclarecer as situações que podem ter mais de um agente causador”, enfatiza.

Um passo à frente dos vírus: a descoberta de um novo subtipo do HIV

Em 1994, a companhia formou um grupo de renomados cientistas e pesquisadores para conduzir o Programa Global de Vigilância em Doenças Infecciosas Virais6. Desde então, esse time de “caçadores de vírus”7 se mantém em alerta para doenças virais que surgem, em uma constante busca por evidências associadas às doenças infecciosas e às suas possíveis mutações.

Em novembro de 2019, a Abbott divulgou que o seu time de cientistas identificou um novo subtipo do vírus HIV chamado HIV-1 Grupo M, subtipo L. A descoberta tem um importante peso para os pesquisadores, que podem se beneficiar disso para identificar mutações e evitar novas pandemias. E foi a primeira vez que detectou-se um subtipo do Grupo M do HIV desde que as diretrizes para classificar novas cepas do vírus foram estabelecidas, em 2000.

Esse trabalho de monitoramento dos vírus HIV e identificação de mutações também garante que os testes de diagnóstico da empresa permaneçam atualizados. Como parte dessa pesquisa, os cientistas da Abbott confirmaram que seus testes de diagnóstico laboratorial central e molecular detectam a cepa de HIV, assegurando aos laboratórios a capacidade de atendimento à demanda crescente por resultados rápidos e precisos que garantam um prognóstico de qualidade e o melhor tratamento aos pacientes.

Referências:

1. https://unaids.org.br/estatisticas/.

2. https://www.abbottbrasil.com.br/viva-com-saude/saiba/sabendo-antecipadamente/hiv-teste-impacto-tratamento.html.

3. https://www.amfar.org/About-HIV-and-AIDS/Basic-Facts-About-HIV/#a5.

4. https://www.abbott.com/corpnewsroom/products-and-innovation/how-one-test-changed-HIV.html.

5. https://www.abbottbrasil.com.br/corpnewsroom/products-and-innovation/exame-de-hiv-um-passo-a-frente-da-doenca.html.

6. https://www.corelaboratory.abbott/int/pt/offerings/global-surveillance.

7. https://www.abbott.com/virushunters.html.

Tags:

Abbott, Celso Granato, Dezembro Vermelho, HIV

Compartilhe: