O exame de urina é capaz de diagnosticar diversas doenças e teve grande evolução nos últimos anos por meio de novas tecnologias

O Controle Externo para Pesquisa de Dismorfismo Eritrocitário é disponibilizado de forma pioneira pela Controllab

A Urinálise contempla avaliações que auxiliam no diagnóstico de doenças dos rins e do trato urogenital, além de desordens hepáticas, hemolíticas e do metabolismo dos carboidratos. Com exames de simples execução e de baixo custo, a área tem crescido em interesse e é cada vez mais valorizada.

Para emissão de laudos assertivos dos exames de urina, a rotina requer profissionais bem treinados, equipamentos adequados e a aplicação de metodologias padronizadas. Nos últimos anos, esses exames tiveram grande evolução graças a disponibilização de novas tecnologias para avaliação das amostras, com parâmetros novos para o exame físico-químico e recursos de alta qualidade para a identificação das partículas urinárias, como a Citometria de Fluxo.

Importante ressaltar que, além da Citometria, também são utilizadas a microscopia baseada em cuvetas e a microscopia inteligente automatizada, para a identificação dos elementos detectáveis no sedimento urinário.

Um recurso particularmente interessante para a identificação de condições clínicas ligadas aos rins é a possibilidade disponibilizada por alguns fabricantes para identificação via tira reativa da relação albumina/creatinina e a relação proteína/creatinina.

O desenvolvimento e a maior oferta de equipamentos automatizados otimizam o fluxo de trabalho das rotinas de Urinálise, permitindo uma liberação ágil e segura de amostras negativas e a sinalização correta para revisão de amostras com achados patológicos.

Essa evolução do processo é acompanhada pelos provedores de controle de qualidade, com programas específicos para as rotinas automatizadas, bem como para as técnicas manuais. Como por exemplo, o Controle Externo para Pesquisa de Dismorfismo Eritrocitário, disponibilizado de forma pioneira pela Controllab.

Essa pesquisa é um exame relevante para a identificação de hematúria de origem glomerular. A participação em Controle Externo contínuo permite a avaliação e educação continuada dos profissionais que realizam este ensaio.

Controle dos processos

A análise microscópica é profundamente impactada pelo conhecimento do profissional que realiza a avaliação das amostras, pelas aplicações de microscopia disponíveis (filtros de contraste de fase e luz polarizada que são os recursos padrão-ouro para a análise do sedimento urinário) e a obediência ao protocolo padronizado para o exame.

Por isso, o controle de qualidade torna-se fundamental para eliminar ou minimizar esses impactos. A avaliação contínua dos resultados fornecidos pelos equipamentos e das habilidades humanas aplicadas na análise das amostras, garantem a correta identificação dos elementos presentes na urina.

“A análise microscópica é, sem dúvida, o ponto que demanda maior tempo para que se consiga atingir um nível de capacitação adequado dos profissionais. Dependendo do tipo de amostras que compõe a rotina da Urinálise, pode ser bastante desafiador conseguir atingir uma qualificação apropriada. Por exemplo, profissionais de centros que atendem um grande número de pacientes com doenças e transplantados renais vão requerer um número maior de horas de treinamento do que profissionais de centros que trabalham com amostras ambulatoriais”, explica Dr. José Poloni – professor da Escola de Saúde da Unisinos e assessor científico do Programa de Urinálise da Controllab.

As ferramentas de controle externo e interno são importantes aliadas das rotinas eficientes e, consequente, da emissão de resultados fidedignos. Também existem normativas nacionais e internacionais que colaboram nesses processos. Por exemplo, a ABNT está revisando a norma para o exame de urina e em breve uma versão atualizada estará disponível. O CLSI tem um documento específico com diretrizes para o exame de urina e existe também o Guia Europeu para Urinálise.

A Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML) tem disponível em sua biblioteca digital um livro com “Recomendações para o Exame de Urina”.  A Controllab também disponibiliza gratuitamente livros sobre Gestão da fase analítica, incluindo um capítulo dedicado ao “Controle de Processo em Urinálise”.

Os desafios

Padronizar os procedimentos para a realização dos exames, com a adoção de protocolos que sigam normativas nacionais ou internacionais entre os profissionais que atuam nessas análises, é uma necessidade da Urinálise, visando a uniformização na forma de trabalho e melhorias no processo. Neste sentido, no Brasil, uma recente iniciativa foi objeto de artigo, evidenciando a importância da distinção das células epiteliais na rotina.

Adicionalmente, é fundamental que haja investimento nos recursos humanos e tecnológicos para o setor, como por exemplo, treinamento básico e contínuo dos profissionais e na microscopia, que tem papel fundamental para a identificação dos elementos do sedimento. Por fim, é crucial entender os pontos fortes e os pontos fracos do exame, fazendo uso adequado deste teste.

Programa de Urinálise da Controllab

O programa da Controllab contempla todas as variáveis que precisam ser avaliadas na rotina de exames de urina

A Controllab está entre os maiores provedores de controle de qualidade laboratorial no mundo, contando com mais de 3.500 ensaios disponíveis no portfólio. Para Urinálise, há um abrangente escopo de exames que atendem as matrizes humanas e de veterinária.

O programa da Controllab contempla todas as variáveis que precisam ser avaliadas na rotina de exames de urina, incluindo as análises:

– Físico-química

– Microscópica quantitativa para a contagem de leucócitos e eritrócitos

– Microscópica qualitativa para a visualização do sedimento urinário

– Casos clínicos simulando situações do dia a dia com as informações do exame físico-químico e fotografias de alta qualidade dos elementos do sedimento urinário de cada caso

No programa são utilizadas amostras liofilizadas que asseguram a estabilidade no transporte, lâminas virtuais com possibilidade de aproximação e ajuste de foco que garantem a padronização do material, a diversidade de casos e a inclusão de quadros raros. Também são contempladas imagens de estruturas para identificação, além de fotografias de sedimento à fresco, em contraste de fase, luz polarizada ou corado por Sternheimer-Malbin.

O controle de qualidade é modularizado para atender as diferentes rotinas. Ele insere confiança e credibilidade nas análises, aprimora o conhecimento profissional e promove a excelência nos exames laboratoriais de urina.

Conheça o Programa de Urinálise da Controllab.

Tags:

Controle Externo para Pesquisa de Dismorfismo Eritrocitário, Controllab, laudos assertivos, Urinálise

Compartilhe: