Os premiados são alunos do Programa de Pós-Graduação em Biociências e Biotecnologia da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto

Os trabalhos premiados dedicaram-se ao tema das bactérias com genes de resistência antimicrobiana, que tem gerado preocupações em todo o mundo

Quatro alunos do Programa de Pós-Graduação em Biociências e Biotecnologia (PPG-BBio) da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP) da USP, orientados pelas professoras Eliana Guedes Stehling e Elaine Cristina Pereira De Martinis, venceram categorias relacionadas a ciências da saúde, microbiologia ambiental e higiene de alimentos em premiações brasileiras.

Os trabalhos premiados dedicaram-se ao tema das bactérias com genes de resistência antimicrobiana, que tem gerado preocupações em todo o mundo. Entre os dez vídeos vencedores em cada uma das dez grandes áreas no Grande Prêmio Vídeo Pós-Graduação USP 2021, um aluno do PPG-BBio recebeu o prêmio na categoria Ciências da Saúde II, outra aluna venceu com o melhor trabalho no Congresso Paranaense de Microbiologia (CPM) e dois alunos foram contemplados também com prêmios de melhores trabalhos no trigésimo primeiro Congresso Brasileiro de Microbiologia (CBM). Todos os eventos aconteceram remotamente nos meses de outubro e novembro deste ano.

Resistência aos antimicrobianos

O doutorando Lucas David Rodrigues dos Santos, orientado pela professora Eliana, venceu a categoria Ciências da Saúde II do Grande Prêmio Vídeo Pós-Graduação USP 2021 com o trabalho Caracterização molecular e análise plasmidial de isolados ambientais de Enterococcus sp. resistentes à linezolida.

Durante muito tempo, acreditava-se que bactérias resistentes eram restritas somente a hospitais, no entanto, atualmente já é sabido que, “devido à atividade impactante do homem, esses microrganismos podem ser encontrados em outros ambientes” e o contato com seres humanos pode ocorrer por meio de atividades rotineiras, “como consumo de alimentos ou contato com ambientes contaminados”, exemplifica o pesquisador.

Nesse sentido, baseada no conceito One Health, que considera a integração entre saúde humana, saúde animal e meio ambiente, a pesquisa busca identificar microrganismos resistentes em amostras ambientais por meio da biotecnologia molecular e da bioinformática, para conhecer seus genomas e meios de disseminação entre diferentes tipos de ambientes, uma vez que “a resistência aos antimicrobianos é um dos maiores problemas de saúde pública em todo o mundo”, explica o pesquisador.

Microbiologia ambiental

O trabalho Altos níveis de resistência antimicrobiana e tolerância a metais em Pseudomonas sp. isolado de amostras de praia, da aluna Micaela Santana Ramos, orientada pela professora Eliana, recebeu o prêmio de melhor trabalho no quarto Congresso Paranaense de Microbiologia (CPM) na área de Microbiologia Ambiental.

Na pesquisa, Micaela analisou a presença de bactérias multirresistentes (MDR) que abrigam genes de resistência antimicrobiana (ARGs) e genes de tolerância a metais (MTGs) em praias urbanas no Brasil.

A presença de bactérias potencialmente patogênicas associadas ao alto fluxo de pessoas nas áreas de lazer “tem causado preocupações em todo o mundo”, motivo pelo qual alguns países realizam monitoramento em amostras de água e areia de praias urbanas.

No entanto, bactérias Pseudomonas sp. não são monitoradas, chamando a atenção para os resultados da pesquisa que indicaram a disseminação da espécie nos ambientes analisados, com fenótipos de multirresistência e tolerância a metais e diferentes genes relacionados a esses perfis.

Também na área de microbiologia ambiental, o aluno João Pedro Rueda Furlan foi premiado no trigésimo primeiro Congresso Brasileiro de Microbiologia com o trabalho Escherichia coli E-ST1775-H137 multirresistente com mcr-1.1, blaCTX-M-2 e blaCMY-2 recuperada de um riacho urbano no sudeste do Brasil, também orientado pela professora Eliana.

Nesta pesquisa, Furlan realizou uma investigação da resistência à colistina (potente antibiótico) em isolados de bactérias Escherichia coli obtidas em ambientes aquáticos em cidades do Estado de São Paulo. Os resultados mostraram a presença de um isolado de E. coli exibindo resistência a múltiplas drogas e carregando os genes mcr-1.1, blaCTX-M-2 e blaCMY-2 em águas urbanas, chamando a atenção para a disseminação de genes de resistência antimicrobiana clinicamente relevantes na esfera ambiental.

Microbiologia e higiene de alimentos

Otávio Guilherme Gonçalves de Almeida, orientado pela professora Elaine, recebeu o Prêmio de Trabalho de Pesquisa do Comitê Internacional de Microbiologia e Higiene Alimentar da União Internacional de Sociedades Microbiológicas (IUMS), também durante o Congresso Brasileiro de Microbiologia, em reconhecimento a contribuições de sua pesquisa Abordagem metatranscriptômica in silico para rastrear efetores relacionados ao biofilme em laticínios, em que avaliou a expressão de efetores ligados à formação de biofilme a partir de dados metatranscriptômicos de alimentos lácteos disponíveis em uma base de dados pública.

Os biofilmes microbianos são “comunidades que dependem de interações complexas eliciadas na sinalização em cascata para serem capazes de persistir em ambientes hostis” e a “regulação da expressão gênica relacionada ao flagelo, produção de exopolissacarídeos e liberação de DNA extracelular são características fundamentais para a formação e manutenção do biofilme”, explica.

Nesse sentido, as conclusões da pesquisa evidenciaram mecanismos regulatórios em ação para a persistência bacteriana em laticínios, fundamentados na presença de diversos efetores relacionados ao biofilme em conjuntos de dados metatranscriptômicos, o que, segundo Almeida, “pode contribuir para o planejamento de estratégias de controle do biofilme”. Com informações da USP

Tags:

bactérias com genes de resistência antimicrobiana

Compartilhe: