Uma amostra de três centímetros de cabelo consegue detectar drogas consumidas nos últimos três meses

O exame toxicológico foi criado especialmente para atender a nova legislação que alterou a CLT e o Código de Trânsito Brasileiro. Ele é exigido em alguns concursos públicos, por exemplo, e nas renovações das categorias C, D e E.

Esta é a única tecnologia capaz de detectar o uso constante de substâncias psicoativas com uma visão retroativa mínima de 90 dias. O teste identifica uma grande variedade destas substâncias, incluindo as anfetaminas, cocaína, maconha e opiáceos.

Como funciona

Uma amostra de três centímetros de cabelo consegue detectar drogas consumidas nos últimos três meses (90 dias). Quando essa análise é feita com pelos do corpo, contam os últimos seis meses (180 dias). A técnica é segura e oferece, de forma simples e indolor, maior eficácia.

Essa detecção é possível porque, depois que a droga é consumida, a corrente sanguínea, a oleosidade da pele e a transpiração levam as substâncias ilícitas e depositam no cabelo. Em aproximadamente seis dias, o cabelo sai da raiz e surge no couro cabeludo. Este novo fio já vem alterado.

Se o consumo for contínuo, os componentes das drogas ficam ainda mais fixos ao cabelo conforme ele vai crescendo.

Para saber mais sobre este exame e como oferecer no laboratório, fale com um dos representantes do Alvaro Apoio.

Veja os benefícios e diferenciais do exame junto ao Alvaro Apoio:

Benefícios:

– Preços especiais

Fluxo e-commerce

– Fidelização contratual

– Entrega dos kits de coleta

– Retirada das amostras de cabelos em todo o Brasil

– Sistema exclusivo que garante eficiência, produtividade e valor forense

Através do Portal Alvaro Toxicológico pode-se:

– Fazer o registro eletrônico das coletas realizadas pelo laboratório

– Acessar via internet os registros de todos os serviços de coletas, realizados pelo laboratório

– Utilizar a biblioteca técnica com todas as informações necessárias sobre a coleta

Clique aqui.

Tags:

Alvaro Apoio, exame toxicológico, substâncias psicoativas

Compartilhe: