A descoberta gerou patente e é o passo inicial para que as substâncias extraídas do fungo “Penicillium echinulatum” sejam usadas na produção de cosméticos e medicamentos

Na imagem, fungo Penicillium echinulatum. Ele foi extraído da alga Adenocystis utricularis, escolhida como alvo dos estudos porque está associada à alta incidência de radiação dos raios ultravioleta UVA e UVB, no Continente Antártico. Foto: Gerald Holmes/Strawberry Center, Cal Poly San Luis Obispo

O fungo Penicillium echinulatum, isolado da alga Adenocystis utricularis, encontrada em locais de clima frio, como a Antártida, é o protagonista de uma pesquisa da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP) da USP. O estudo, realizado a partir do cultivo deste fungo em laboratório, levou à descoberta de substâncias que podem proteger a pele humana contra raios ultravioleta, além de matar parasitas, como o causador da leishmaniose e o da malária, além de larvas, como as do mosquito da dengue.

A pesquisa da farmacêutica Thaiz Rodrigues Teixeira buscava, em extratos de fungos, substâncias que demonstrassem ação fotoprotetora, mecanismo que evita danos provocados pela luz solar à pele humana, carro-chefe das pesquisas do grupo liderado pela professora Hosana Maria Debonsi, orientadora do estudo.

A escolha da alga Adenocystis utricularis para este estudo, diz Hosana, “está associada à alta incidência de radiação dos raios ultravioleta, UVA e UVB, no Continente Antártico”. A descoberta é o primeiro passo para que as substâncias encontradas no fungo Penicillium echinulatum sejam usadas na produção de cosméticos e medicamentos tanto de uso humano quanto veterinário.

Testes em peles artificiais

Para o estudo, foi necessário determinar quais dos vários fungos encontrados na alga possuíam maior potencial biológico. “Para isso realizamos experimentos piloto, cultivamos esses fungos separadamente, identificamos e estudamos os extratos de cada um, ou seja, avaliamos o perfil químico e o perfil biológico”, conta a professora.

Os resultados do piloto indicaram as substâncias produzidas pelo fungo Penicillium echinulatum com o melhor potencial para uso em cosméticos, na proteção contra os raios UVA e UVB, que não se decompõe com a luz ou que apresenta potencial tóxico.

Após esse estudo inicial, os pesquisadores fizeram os testes em pele artificial, reconstituída a partir de células humanas. Essa fase foi feita em colaboração com a professora Lorena Gaspar Cordeiro, também da FCFRP. “Nessa etapa, verifica-se se a substância possui efeitos tóxicos e irritantes na pele. Com base nos ensaios, o fungo pode ser cultivado em escala ampliada, servindo para obter mais substâncias para os próximos testes.”

O próximo passo, diz Hosana, foi o depósito de patente, para que as metodologias e aplicações das substâncias possam ser protegidas e, ainda, virem a ser objeto de outros estudos em parceria com empresas da área cosmética e dermatológica, inclusive, na realização de ensaios clínicos para comprovação da segurança e eficácia, conforme exigido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Desafios: pandemia e falta de biorreatores

A pandemia da Covid-19 foi um obstáculo para o andamento da pesquisa, informa a professora, com muitos dos trabalhos interrompidos na faculdade. Mesmo assim, os testes avançaram e, agora, avalia Thaiz Rodrigues Teixeira, a equipe deve enfrentar sua maior dificuldade: o cultivo em larga escala no laboratório. É que para os testes clínicos serão necessárias quantidades muito maiores das substâncias extraídas do fungo.

Thaiz comenta que nem sempre essas substâncias podem ser obtidas através de síntese química por envolverem várias etapas, além de ser algo muito caro. Assim, uma alternativa é utilizar o processo biológico de crescimento do fungo, podendo ser reproduzido em laboratório. Porém, isso depende de biorreatores, equipamentos robustos e caros que “esbarram em outra dificuldade, que é o financiamento”.

O estudo Prospecção química, avaliação biológica e uso de redes moleculares como ferramenta na busca por substâncias bioativas de microrganismos marinhos foi desenvolvido no doutorado da farmacêutica Thaiz Rodrigues Teixeira, sob orientação da professora Hosana, e defendido no último mês de maio. Foi realizado em colaboração com professores da FCFRP da USP, do Instituto de Química da Unesp, em Araraquara, da Universidade de Brasília (UnB), do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) e de professores e pesquisadores internacionais, sendo que uma parte da tese foi realizada em um estágio-sanduíche no Instituto de Oceanografia da Universidade da Califórnia, em San Diego, nos Estados Unidos, com supervisão do professor William Gerwick. Com informações da USP

Tags:

alga Adenocystis utricularis, fungo Penicillium echinulatum

Compartilhe: