O exame de gasometria é solicitado quando há problemas respiratórios, como falta de ar ou alterações na frequência de respiração, e distúrbios metabólicos, que causam o desequilíbrio ácido-base no sangue

Diante de desequilíbrios respiratórios, metabólicos, entre outros, em pacientes críticos hospitalizados, a gasometria é uma aliada importante na realização de exames e no auxílio médico, para a proposição de diagnóstico rápido e seguro, possibilitando a tomada de decisão no tempo adequado e, em muitos casos, salvando vidas.

O exame de gasometria é solicitado quando há problemas respiratórios, como falta de ar ou alterações na frequência de respiração, e distúrbios metabólicos, que causam o desequilíbrio ácido-base no sangue. Além disso, também é requerida para avaliar e acompanhar pacientes em ventilação mecânica, oxigenoterapia ou em alguns tipos de cirurgia, sendo empregada para diagnosticar e monitorar pacientes críticos.

Este artigo destaca as características fundamentais da gasometria e a aplicação do sistema em um dos seus ambientes mais relevantes – a urgência/emergência hospitalar.

A gasometria e seus principais parâmetros 

A gasometria se refere à determinação de quatro parâmetros principais em amostras de sangue total arterial ou venoso: pH – potencial hidrogeniônico, pO2 – pressão parcial de oxigênio, pCO2 – pressão parcial de gás carbônico e HCO3- – concentração do ânion bicarbonato. O pH é o logaritmo negativo da concentração de íons hidrônio (H3O+); a pO2 é a quantidade de moléculas de oxigênio dissolvidas no sangue e a pCO2 é a quantidade de moléculas de gás carbônico dissolvidas no sangue, estas duas últimas expressas na forma de pressão parcial.

“Os três primeiros são parâmetros medidos, enquanto que o último é calculado através do pH e da pCO2. Assim, estes parâmetros indicam o status ácido-base sanguíneo e a eficiência da troca de gases no pulmão dos pacientes”, explica Bárbara de Morais, especialista de produtos da Labtest.

Para entender como os parâmetros se comportam é necessário saber como funciona o sistema de tamponamento sanguíneo e como ele é regulado. O sangue é um sistema tamponado, o que significa que o seu pH é menos suscetível a mudanças. O tampão que constitui o sangue é o tampão bicarbonato. Trata-se de um sistema aberto regulado através do processo de respiração.

O gás carbônico é formado como produto final do processo de respiração celular aeróbica, que converte glicose e oxigênio em gás carbônico, água e energia. Na presença de água, o gás carbônico (CO2) forma o ácido carbônico (H2CO3), que se dissocia nos íons bicarbonato (HCO3-) e íons hidrônio (H3O+), conforme mostrado na equação:

“Através deste equilíbrio químico ocorre a regulação do pH sanguíneo. O equilíbrio se desloca para a direita quando a frequência respiratória diminui, com o aumento da concentração de CO2 no sangue. E se desloca para a esquerda quando a frequência respiratória aumenta, com a diminuição da concentração de CO2 no sangue. Desta maneira, quando o equilíbrio se desloca para a direita, o pH sanguíneo diminui e quando este se desloca para a esquerda, o pH sanguíneo aumenta”, complementa Bárbara.

Correlação entre os principais parâmetros da gasometria

O pH, pCO2 e HCO3- estão correlacionados através da equação de Henderson-Hasselbach. Esta equação mostra que o pH observado no sangue é função da razão entre a concentração de bicarbonato e a pressão parcial de gás carbônico, conforme demonstrado a seguir:

Por essa equação é possível observar que a concentração de bicarbonato é proporcional ao pH e a pressão parcial de gás carbônico é inversamente proporcional ao pH.

A pCO2 e a pO2 estão correlacionados através do processo externo de respiração. Dois quadros podem ocorrer em função da frequência respiratória do paciente avaliando-se o sangue arterial:

Hiperventilação: aumento da frequência respiratória, neste caso, pCO2 diminui e pO2 aumenta.

Hipoventilação: diminuição da frequência respiratória, neste caso, pCO2 aumenta e pO2 diminui.

“As pressões parciais de oxigênio e de gás carbônico são parâmetros que podem ser afetados em função de ventilação mecânica ou oxigenoterapia”, acrescenta Bárbara.

Entenda a diferença entre gasometria arterial e venosa

Para compreender a diferença entre a gasometria arterial e a venosa é importante entender os dois tipos de sangue que circulam no corpo humano.

Sangue arterial: bombeado do coração para os tecidos e possui maior quantidade de moléculas de oxigênio dissolvido.

Sangue venoso: sai dos tecidos em direção ao coração e possui maior quantidade de moléculas de gás carbônico dissolvido.

“A gasometria arterial se refere à dosagem dos parâmetros no sangue arterial e a venosa faz referência à determinação destes mesmos parâmetros no sangue venoso”, salienta Bárbara.

O uso da gasometria no ambiente hospitalar 

Pacientes críticos em leitos, UTI, CTI ou em outras situações de urgência/emergência demandam extremo cuidado e monitoramento constante, para que haja boa evolução dos quadros clínicos existentes. A análise de gasometria em amostras destes pacientes indica dois tipos de desordens do equilíbrio ácido-base conhecidas como acidose e alcalose.

Acidose: ocorre quando o pH sanguíneo é menor que o valor inferior do intervalo de referência.

Alcalose: ocorre quando o pH sanguíneo é maior que o valor superior do intervalo de referência.

Para o sangue arterial, o intervalo de referência para pH é entre 7,35 e 7,45. Valores menores que 7,35 indicam um quadro de acidose e valores maiores que 7,45 indicam um quadro de alcalose.

Segundo Bárbara, estas desordens podem ser de origem respiratória ou metabólica e podem ser processos compensados ou descompensados. Além disso, esta análise também indica a eficiência da troca de gases nos pulmões, através dos parâmetros pCO2 e pO2, permitindo avaliar se o processo respiratório está ocorrendo de forma adequada. Esta avaliação é feita, geralmente, na gasometria arterial.

“O corpo humano está mais preparado para desordens relacionadas à acidose que à alcalose, sendo esta última considerada mais grave podendo levar o paciente a óbito rapidamente e demandando intervenção médica de forma mais imediata”, explica a especialista de produtos.

Esclarecendo a origem das desordens da acidose e alcalose

Para determinar qual é a origem destas desordens é necessário avaliar dois parâmetros, pCO2 e HCO3-, à luz da equação de Henderson-Hasselbach. Veja como Identificar a origem dos dois tipos de desordens:

Origem metabólica: quando a alteração do pH está relacionada a mudanças no HCO3.-

Origem respiratória: quando a alteração no pH está associada a mudanças no pCO2.

Nesta avaliação também é necessário observar alguns outros parâmetros como o excesso de base (BE), a glicose e o lactato. “Um exemplo importante de acidose de origem metabólica é a acidose lática, que ocorre quando pH e HCO3- estão diminuídos e a concentração de lactato está aumentada”, explica Bárbara.

Para avaliar se a desordem está em um processo compensado ou descompensado é importante observar os parâmetros (medidos e calculados) da gasometria como um todo. A compensação ocorre quando algum mecanismo do corpo é ativado espontaneamente no sentido de resolver aquela desordem. “Por exemplo, em um paciente que apresenta uma alcalose metabólica, a compensação pode ocorrer através de uma diminuição na frequência respiratória (hipoventilação), aumentando a pCO2 no sangue e, consequentemente, levando à diminuição do pH. Desta forma, a alcalose pode ser compensada”, exemplifica Bárbara.

Tabela 1. Acidose, alcalose e suas origens

Conheça a gasometria i15 da Labtest

A Labtest disponibiliza no seu portfólio o sistema de Gasometria i15. Ele é composto por equipamento e reagentes (cartuchos, calibradores e controles), utilizados para determinação de até 34 parâmetros por amostra: 10 medidos (pH, pCO2, pO2, Na+, K+, Ca++, Cl-, Glu, Lac e Hct) e 24 calculados.

O equipamento é portátil, leve e de fácil operação, o que permite que ele seja facilmente transportado e possa ser utilizado próximo ao paciente. Desta forma, a análise da amostra é feita mais rapidamente, melhorando a fase pré-analítica da gasometria. “Na gasometria, a fase pré-analítica é de extrema importância e é recomendado que a análise seja realizada em até 30 minutos, após a coleta da amostra, que é muito delicada e sensível a trocas de gases com o ar ambiente. Por isso, é importante fazer o teste o mais rapidamente possível”, explica a especialista de produtos.

O sistema emprega potenciometria, amperometria e condutimetria na determinação dos parâmetros, utiliza apenas 140 µL de amostra e os resultados são obtidos em 48 segundos após a aspiração da amostra.

O cartucho Test Cartridge BG10 Ref. 6944413802209 possui validade de 10 meses e está disponível em apresentação de 25 unidades. Os cartuchos são individuais, de uso único, e possuem microssensores contendo eletrodos que realizam a determinação dos parâmetros.

O calibrador Calibrant Fluid Pack é utilizado a cada amostra ensaiada no sistema, possui 12 meses de validade e está disponível em duas apresentações:

– CP50 Ref. 6944413802599: para 50 testes.

– CP100 Ref. 6944413801882: para 100 testes.

Já os controles Blood Gas and Electrolyte Controls estão disponíveis em três níveis (Level 1 Ref. 6944413801981, Level 2 Ref. 6944413801998 e Level 3 Ref. 6944413802001), possuem validade de 24 meses e apresentação de cinco ampolas para cada nível.

“O sistema permite análise de gasometria arterial, venosa ou capilar e realiza a aspiração da amostra e do calibrador de forma automática. Além disso, requer baixa manutenção devido a sua tecnologia inovadora de controle de líquidos. A amostra fica confinada no cartucho e não entra em contato com o sistema operacional interno. O equipamento possui autonomia de bateria para 50 testes contínuos e permite o armazenamento de até 10.000 dados de pacientes e 5.000 dados de CQ”, complementa Bárbara.

A gasometria no monitoramento de pacientes com Covid-19 

Indivíduos acometidos com a Covid-19 podem apresentar a falta de ar, sendo necessário, em alguns casos a utilização de ventilação mecânica. Em casos graves da evolução da doença, os pacientes hospitalizados podem ter grande comprometimento dos pulmões o que leva à pneumonia e  insuficiência pulmonar.

Também  podem apresentar quadros clínicos que demandam grande atenção e acompanhamento, como: a Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA), sepse e choque séptico e falência múltipla de órgãos. Neste sentido, a gasometria pode auxiliar no monitoramento destes pacientes como um exame complementar àqueles específicos para a doença.

“Pacientes com SDRA ou que estão em ventilação mecânica devem ser monitorados através da análise dos principais parâmetros da gasometria: pH, pO2, pCO2 e HCO3-, para avaliação da gravidade do acometimento dos pulmões e monitoramento da eficiência dos tratamentos realizados evitando o desenvolvimento de quadros clínicos graves de hipóxia, acidose ou alcalose, entre outros”, conclui Bárbara.

A Labtest busca as melhores soluções e qualidade em cada serviço, pois acreditamos que a vida merece o melhor diagnóstico.

Mais informações:
SAC: 0800 031 3411
(31) 3689-6900
[email protected]

Referências

Burtis, C. A. et al. Tietz Fundamentos de Química Clínica e Diagnóstico Molecular. Elsevier, 7 ed.

Manual do usuário i15 Blood Gas and Chemistry Analyzer, Labtest. 

Tags:

diagnóstico rápido e seguro, gasometria, Labtest

Compartilhe: