A Roche Diagnóstica lançou no mercado brasileiro o Elecsys® AMH Plus, o kit de testes do hormônio antimülleriano que analisa a reserva ovariana da mulher

O século 21 apresenta uma série de mudanças significativas na sociedade e suas relações, costumes e objetivos. Se os tempos mudaram, as mulheres também. É um momento novo, diferente e extremamente positivo sob o ponto de vista de igualdade de direitos de suas vidas. Com o crescimento do papel feminino na sociedade – as mulheres ocupam 44% dos cargos de trabalho no Brasil, segundo dados do Ministério do Trabalho -, as mulheres mais jovens deixaram de priorizar o sonho da maternidade que foi substituído pelo desejo de viajar, investir em uma carreira profissional de sucesso e conquistar a independência financeira.

A Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva aponta que a fertilidade feminina inicia com uma queda progressiva a partir dos 37 anos. Isso acontece porque, nesta idade, o número de oócitos (gametas femininos) cai gradativamente e chega aproximadamente a 25 mil unidades. Para se ter uma ideia, durante a puberdade, quando a menina inicia o processo de amadurecimento físico para estar apta para a gravidez, os oócitos estão entre 300 e 500 mil.

Mesmo com os empecilhos biológicos para engravidar tardiamente, as mulheres buscam na ciência uma solução para conseguir conceber filhos com seus parceiros. O potencial reprodutivo do casal é realizado por uma minuciosa avaliação médica, acompanhada de exames laboratoriais hormonais e de imagens. Este estudo minucioso é responsável por decidir qual técnica de reprodução assistida será a mais apropriada para ser oferecida ao casal. O tratamento de Fertilização In Vitro, técnica laboratorial que apresenta a maior chance de gravidez por tratamento, consiste na estimulação dos folículos ovarianos por hormônios injetáveis controlado por exames de ultrassom transvaginal seriados.

Roche e a fertilidade da mulher

A Roche Diagnóstica notou essa demanda e lançou no mercado brasileiro, em janeiro deste ano, o Elecsys® AMH Plus, o kit de testes do hormônio antimülleriano que analisa a reserva ovariana da mulher, ou seja, quantos oócitos ainda restam nos ovários da paciente.

O exame é um dos mais precisos do mercado para o procedimento da fertilização in vitro, pois mostra ao especialista em reprodução humana se a paciente está apta a receber o estímulo hormonal e se ainda possui óvulos suficientes para fazer o procedimento. Esse teste pode ser feito em qualquer momento do ciclo menstrual da mulher e é compatível com o cobas e 411, cobas e 601, cobas e 602 e cobas e 801. “A metodologia do Elecsys®, chamada de eletroquimioluminescência, faz os testes desenvolvidos com essa tecnologia terem maior precisão e mais reprodutibilidade. Mesmo diferentes laboratórios analisando a mesma amostra, o resultado será igual”, explica o gerente de Produto Sequenciamento e Saúde da Mulher, Felipe Braga.

Segundo o estudo feito pelo endocrinologista Josef van Helden, do Laboratório de Centro de Diagnósticos da Universidade Técnica de Aachen, da Alemanha, o produto da Roche teve uma análise mais precisa e rápida em comparação ao kit de teste similar de uma empresa concorrente.

Enquanto o Elecsys® AMH Plus analisou a amostra da paciente em 18 minutos, o outro produto fez o mesmo processo em 40 minutos. A precisão do Elecsys® AMH Plus também foi testada em um estudo com a pesquisadora Ellen Anckaert, do Laboratório de Hormonologia e Tumores da Universidade Ziekenhuis Brussel, na Bélgica. Junto com outros cinco equipamentos europeus, os laboratórios utilizaram o teste da Roche durante oito meses e chegaram à conclusão de que o coeficiente de variação entre os resultados dos testes dos diferentes laboratórios foi de 1,8% e de 4,4% por precisão intermediária.

“Antes de termos esse tipo de ensaio, os testes iniciais antimüllerianos sofriam variações muito grandes e não eram fidedignos”, explica Felipe Lazar Junior, que trabalha em sua clínica com o kit de testes do hormônio antimülleriano, o Elecsys® AMH – uma versão anterior da lançada no mercado no começo deste ano. Ele fala sobre a importância de obter um resultado preciso ao atender uma paciente em seu consultório: “O exame da Roche tem precisão e acurácia. Se a paciente fez o exame no começo do ano, ela tem um parâmetro até o final do ano de como está sua reserva ovariana”.

O Elecsys® AMH também está presente na rotina clínica do Fertility Medical Group. O sócio-fundador da clínica, Edson Borges Júnior, explica como o kit de testes se mostrou eficaz em seu trabalho: “O Elecsys® AMH tem se provado muito bom por sua rapidez e facilidade para a realização do exame do hormônio antimülleriano. Seu uso é considerado uma rotina necessária porque nos ajuda a tratar a paciente e saber o quanto de medicação pode ser administrada para estimular seu hormônio”.

Este artigo pode ser lido na íntegra na última edição da revista Roche News. Clique na imagem abaixo:

Tags:

Elecsys® AMH Plus, Eletroquimioluminescência, fertilidade feminina, fertilização in vitro, Roche Diagnóstica, testes do hormônio antimülleriano

Compartilhe: