Equipamento que chegou ao Instituto de Ciências Biológicas é único desse modelo no Brasil e levou inventores a ganhar o Nobel de Química

A expectativa é de que o equipamento possibilite impulsionar pesquisas em diversas áreas como a Bioquímica, Parasitologia, Microbiologia, entre outras

Um novo microscópio, desta vez de super-resolução, acaba de chegar ao Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da UFMG. Primeiro em Minas Gerais e único desse modelo no Brasil, o equipamento possibilita observar estruturas com resolução entre 15 e 20 nanômetros. Isso permite enxergar a interação entre moléculas em células vivas. Seu alcance é dez vezes maior do que os outros seis microscópios convencionais de luz utilizados no Centro de Aquisição e Processamento de Imagens (Capi) do ICB-UFMG.

O equipamento foi adquirido por R$ 1,5 milhão, com recursos da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep). Segundo o vice-diretor do Capi, Dawidson Gomes, a expectativa é de que ele possibilite impulsionar pesquisas em diversas áreas como a Bioquímica, Parasitologia, Microbiologia, entre outras. “Ele irá proporcionar um salto no limite técnico dos estudos e nos permitirá chegar ao nível molecular”, comemora o professor, que integra o Departamento de Bioquímica e Imunologia.

Além da tecnologia de super-resolução por fluorescência, a mesma que levou dois cientistas americanos e um romeno a conquistarem o Prêmio Nobel de Química em 2014, o novo microscópio adquirido pelo Capi utiliza a técnica de reflexão total, que viabiliza observar moléculas próximas à membrana plasmática.

O supermicroscópio já foi calibrado para entrar em operação e está à disposição da comunidade científica. No momento, estão sendo criados protocolos e módulos de treinamento dirigidos aos pesquisadores interessados em usá-lo. O técnico Samuel Tadeu Rocha destaca ainda que a equipe do laboratório passou por capacitação em microscopia de reflexão total (Tirf) e em super-resolução para operar o aparelho e poder auxiliar os usuários. Toda a equipe do centro foi envolvida em testes para se aperfeiçoarem ao máximo.

Capi

O Centro de Aquisição e Processamento de Imagens é um órgão complementar do ICB-UFMG. Espaço multiusuário, ele oferece infraestrutura para diferentes pesquisas científicas que têm como método de estudo a captura e a análise de imagens digitais. Dirigido pelos professores Christopher Kushmerick, do Departamento de Fisiologia e Biofísica, e Dawidson Gomes, do Departamento de Bioquímica e Imunologia, oferece equipamentos e técnicos capacitados para dar suporte a pesquisas da UFMG e de outras instituições, bem como colaborar na formação de recursos humanos por meio de atividades de ensino e extensão.

Tags:

Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da UFMG, microscópio, super-resolução por fluorescência

Compartilhe: