A leucemia acontece quando os glóbulos brancos perdem a função de defesa e passam a se produzir de maneira descontrolada. Baseando-se nos tipos de glóbulos brancos que elas afetam, as leucemias estão dividias em dois grandes grupos: mieloide e linfoide. Há, ainda, uma classificação de acordo com a velocidade de divisão dessas células: leucemia crônica, se desenvolvem lentamente e as leucemias agudas, que são de progressão rápida e afetam as células jovens.

Sabe-se que a incidência da leucemia em crianças é muito alta, entretanto a taxa de melhoria em crianças com menos de 15 anos é de 60-85%. Infelizmente ainda não se sabe o fator responsável pela produção de células neoplásicas na faixa etária pediátrica. Algumas condições de maneira conjunta ou não, podem ser atribuídas a causa: fator genético (a criança pode nascer geneticamente predisposta, não necessariamente implica a hereditariedade), a exposição a determinados fatores ambientais (como a radiação solar, irradiação, agrotóxicos, alimentos embutidos ou que possam conter aflatoxinas entre outros) e ainda é considerada as condições gestacionais da mãe (uso de drogas na gravidez, irradiação, certas infecções virais).

É comprovado que a grande arma para o controle e combate de qualquer neoplasia é o diagnóstico precoce. Todas as medidas realizadas na tentativa de se detectar um câncer o mais cedo possível, confirmam a diminuição das taxas de morbimortalidade.

O diagnóstico molecular

A nova geração de exames utiliza-se de metodologias da biologia molecular. Com a vantagem da rapidez e precisão, está se tornando o teste padrão ouro para um diagnóstico preciso, sensível e rápido.  No caso da leucemia o teste molecular consegue definir a porcentagem de células neoplásicas que estão presentes no organismo afetado durante diferentes fases da doença. Assim, como é possível detectar genes relacionados ao próprio câncer.

O kit XGen Transcritos BCR-ABL através da técnica por PCR em Tempo Real – One-Step/Taqman® consegue fazer a identificação do cromossomo Philadelphia, e suas variantes p190 e p210.

O cromossomo Philadelphia é uma alteração citogenética, que resulta de uma translocação recíproca de material genético entre os genes ABL no cromossomo 9 e o BCR no cromossomo 22, formando o gene quimérico BCR/ABL. A variante p190 está normalmente associada às formas agudas de leucemias, entre elas a Leucemia Mieloide Aguda (LMA) e Leucemia Linfoide Aguda (LLA), já a variante p210 está associada às fases crônicas da leucemia, com a Leucemia Mieloide Crônica (LMC).

Saiba mais clicando aqui.

XGEN – Soluções Completas em Diagnóstico

Comercializado por Biometrix Diagnóstica

0800 726 0504

(41) 2108-5250

Tags:

Biometrix Diagnóstica, cromossomo Philadelphia, diagnóstico molecular, diagnóstico precoce, leucemia

Compartilhe: