A existência e propagação ​​de microrganismos no ar tornam obrigatório o estabelecimento, implementação e manutenção de um sistema formal de controle da biocontaminação em seus processos. É fundamental que se empregue um método de monitoramento de ar confiável e validável que elimine quaisquer efeitos adversos na área de teste, enquanto fornece resultados confiáveis.

Filtração ou por impactação: você escolhe qual o método de amostragem

É necessário detectar com precisão microrganismos ou vírus transportados pelo ar usando um método validável que elimine os efeitos adversos em sua área de teste. Para isto podemos utilizar o método de filtração por membrana de gelatina ou a técnica de impactação, ambas apresentam vantagens e desvantagens, mas o uso de membranas de gelatina se mostra uma opção mais confiável, prática e segura. Já no modo de impactação são utilizadas placas de petri que podem não apresentar resultados precisos, além do tempo de incubação necessário.

Exemplos de benefícios no uso de monitoradores de ar com filtros de membranas de gelatina:

– Sistemas de amostragem estacionários e portáteis

– Detecção diferenciada de altas contagens de colônias e vírus com base na solubilidade da gelatina

– Solubilidade do filtro de gelatina ideal para métodos de teste rápido

– As maiores taxas de retenção para bactérias, vírus, esporos e fagos

– Filtros, descartáveis ​​e placa de meio de cultura prontos para uso

Filtros de membrana de gelatina

Microrganismos de uma amostra podem ser cultivados em diferentes meios de nutrientes ao mesmo tempo para detecção aprimorada.

Tecnologias para todas as aplicações

A Sartorius oferece duas opções em monitoramento de ar que atendem as mais diversas necessidades, seja para aplicações de cuidado ambiental (monitoramento de salas limpas, áreas controladas e públicas (como transporte público) e análises ambientais, saúde ocupacional e segurança.

Se você espera altas contagens de colônias ou mesmo vírus, a filtração por membrana de gelatina é o método ideal. Os amostradores de ar MD8: MD8 Airscan® e o Airport MD8 portátil, foram projetados para detectar os menores vírus e microrganismos presentes no ar usando as placas de gelatina de filtro de membrana de gelatina (GMF) exclusivas e placas de ágar BactairTM.

Placas de ágar BactairTM

O MD8 Airscan® e o MD8 Airport fornecem monitoramento ativo e contínuo do ar por pelo menos 8 horas, usando apenas um filtro de membrana de gelatina. Descartar resultados falsos negativos; o filtro proprietário, aprovado pela norma USP, retém até os menores microrganismos transportados pelo ar e monitora a viabilidade no nível mais preciso.

MD8 Airscan®

MD8 Airport

Os filtros de membrana de gelatina solúveis em água são a maneira perfeita de monitorar rapidamente a quantidade de vírus como o SARS-CoV-2. Com a ajuda do amostrador de ar portátil MD8, o ar de todas as áreas de alto risco de contaminação pode ser monitorado. A membrana pode ser dissolvida em volumes mínimos de água, auxiliando na concentração da amostra de RNA desde o início:

– A solubilidade do filtro de gelatina é ideal para métodos de teste rápidos

– As maiores taxas de retenção de bactérias, vírus, esporos e fagos

Single-use ou com suporte reutilizável

Nossos filtros de membrana de gelatina estão disponíveis com uma base de filtro de uso único de 80 mm de diâmetro e também com suportes de filtro reutilizáveis em aço inoxidável, adequados para diferentes diâmetros.

Os filtros de gelatina, em conjunto com o amostrador de ar MD8, oferecem os seguintes recursos e benefícios:

– Taxa de retenção absoluta (99,9995% para esporos de Bac. Sub. Niger, 99,94% para fagos T3)

– O filtro mantém a viabilidade dos microrganismos coletados por um tempo de amostragem relevante e significativo

– Os filtros de gelatina são completamente solúveis em água, um requisito para a amostragem de vírus

Saiba mais sobre como otimizar o seu monitoramento de ar visitando a página dedicada ao controle e monitoramento de ar – clique aqui.

Mais informações:
[email protected]

Tags:

controle da biocontaminação, microrganismos no ar, Sartorius

Compartilhe: