As terapias contra o câncer que visam elementos do sistema imunológico – imunoterapias – estão mostrando resultados notáveis ​​para muitos pacientes

Por Dr. Alison Halliday*

Um novo estudo sugere que a medição de ácidos graxos de cadeia curta no intestino pode oferecer uma maneira de prever quais pacientes com câncer se beneficiarão da imunoterapia.

As terapias contra o câncer que visam elementos do sistema imunológico – imunoterapias – estão mostrando resultados notáveis ​​para muitos pacientes. Os chamados “inibidores do ponto de verificação imune” funcionam interferindo no mecanismo que as células cancerígenas usam para evitar a destruição pelo sistema imunológico do corpo.

Exemplos incluem nivolumabe e pembrolizumabe, que têm como alvo uma molécula na superfície das células chamada PD–1.

O tratamento de pacientes com inibidores do ponto de verificação imune pode encolher tumores e melhorar as taxas de sobrevivência, mesmo para outras terapias que falharam. No entanto, a resposta a esses medicamentos varia muito de pessoa para pessoa. Principalmente para aqueles com tumores sólidos.

Se os médicos pudessem prever com antecedência quem se beneficiaria das imunoterapias do câncer, isso ajudaria a poupar muitos pacientes do risco de efeitos colaterais desnecessários. Definir os fatores que podem influenciar essa variabilidade na resposta também melhorará nossa compreensão de como esses tratamentos funcionam, identificando novas oportunidades para ampliar sua eficácia no futuro.

O microbioma intestinal é um suspeito

Vários estudos sugeriram que a população de microrganismos em nosso intestino pode influenciar o sucesso das imunoterapias do câncer. Mas os mecanismos por trás dessa associação potencial permanecem incertos. Um suspeito são os ácidos graxos de cadeia curta, que são os principais produtos finais do metabolismo mediado pelo microbioma intestinal. Pensa-se que essas moléculas tenham efeitos abrangentes em todo o corpo – inclusive na modulação da resposta imune.

Em um novo estudo, publicado no JAMA Network Open, os cientistas decidiram estudar se os ácidos graxos de cadeia curta estão associados aos resultados clínicos de pacientes com tumores sólidos tratados com nivolumabe ou pembrolizumabe.1

Avaliação de concentrações de ácidos graxos de cadeia curta

Os pesquisadores recrutaram 52 pacientes com tumores sólidos antes de iniciarem o tratamento com nivolumabe ou pembrolizumabe. Eles coletaram amostras de fezes e plasma e mediram as concentrações de vários ácidos graxos de cadeia curta, utilizando cromatografia líquida de desempenho ultra-alto, acoplada à espectrometria de massa (UPLC-MS/MS)

Para essas experiências, eles usaram água ultrapura de um sistema de purificação de água Elga Purelab® Flex 5, minimizando o risco de introdução de contaminantes que podem alterar seus resultados.

Os cientistas realizaram exames para medir o tamanho dos tumores dos pacientes em intervalos regulares ao longo do estudo. Eles então realizaram análises estatísticas para avaliar se os níveis de ácidos graxos de cadeia curta estavam relacionados à sua resposta ao tratamento. Eles descobriram que altas concentrações de ácido acético, ácido propiônico, ácido butírico e ácido valérico em amostras fecais – e ácido isovalérico no plasma – estavam associadas a pacientes que viviam mais tempo sem que sua doença piorasse.

Um teste não invasivo

Este é o primeiro estudo a identificar uma ligação entre os ácidos graxos de cadeia curta e a eficácia do tratamento PD-1 para cânceres sólidos.

Se esses resultados forem confirmados em estudos maiores, o teste de amostras fecais de pacientes com tumores sólidos pode oferecer uma maneira relativamente simples de prever quem pode se beneficiar do nivolumabe ou do pembrolizumabe – abrindo caminho para uma abordagem mais personalizada da imunoterapia contra o câncer no futuro.

Por que escolher a Elga LabWater?

Os engenheiros, químicos e cientistas especializados da Elga estão na vanguarda da inovação tecnológica. A empresa continua a introduzir recursos inovadores no mercado de água purificada para laboratório.

Referência:

Nomura M, et al. Associação de ácidos graxos de cadeia curta no microbioma intestinal com resposta clínica ao tratamento com nivolumabe ou pembrolizumabe em pacientes com tumores sólidos de câncer. JAMA Network Open 2020; 3 (4): e202895.

* Dr. Alison Halliday

Depois de concluir um curso de graduação em Bioquímica e Genética na Universidade de Sheffield, Alison recebeu um PhD em Genética Molecular Humana na Universidade de Newcastle. Ela realizou cinco anos como pesquisadora sênior de pós-doutorado na UCL, investigando os genes envolvidos na síndrome da obesidade infantil. Movendo-se para as comunicações científicas, ela passou dez anos na Cancer Research UK envolvendo o público sobre o trabalho da instituição. Ela agora é especializada em escrever sobre pesquisas nas ciências da vida, medicina e saúde.

Tags:

câncer, imunoterapia, intestino

Compartilhe: