Os testes de diagnóstico rápido necessitam de uma pequena amostra do paciente (swab nasal, ponta de dedo ou outras metodologias pouco invasivas), simplificando a coleta e o processo analítico

O cenário corriqueiro nas jornadas diárias dos profissionais de saúde envolve pressões por diagnósticos rápidos diante de sintomas que podem gerar dúvidas na avaliação clínica. Poder oferecer ao paciente em poucos minutos as informações corretas, com segurança e empoderamento para a melhor tomada de decisão quanto ao tratamento e o melhor prognóstico parece ser o cenário mais próximo do ideal médico, certo? Os testes Point of care (POC) são uma tendência em expansão que garantem que isso é possível e pode fazer parte da realidade rotineira em qualquer ambiente de cuidados com a saúde.

Hoje, há produtos disponíveis para uma diversa gama de doenças e com diferentes tecnologias, que incluem desde a imunocromatografia à biologia molecular. Os testes POC têm se mostrado como uma estratégia valiosa, atuando positivamente na triagem e diagnóstico do paciente, melhora no manejo clínico, possibilidade de serem realizados dentro e fora do ambiente convencional do laboratório, além de permitirem a redução de prescrição medicamentosa inapropriada.

De operação simples, tamanho reduzido e controles de qualidade e/ou procedimento incorporados, os testes de diagnóstico rápido necessitam de uma pequena amostra do paciente (swab nasal, ponta de dedo ou outras metodologias pouco invasivas), simplificando a coleta e o processo analítico.

A união da clínica à tecnologia

A alta sensibilidade e especificidade dos testes POC têm impactado positivamente na precisão e na acurácia dos diagnósticos. O pediatra Marco Aurélio Palazzi Sáfadi, presidente do Departamento de Infectologia da Sociedade Brasileira de Pediatria, informa que no caso da detecção de gripe, estudos mostram que apenas 29% dos quadros são diagnosticados somente por critérios clínicos¹. Esse índice pode alcançar 96,3% de assertividade com o uso de uma ferramenta POC molecular rápida².

“Ferramentas diagnósticas mais eficazes podem ser determinantes para diminuir as prescrições equivocadas, além de servirem como uma estratégia de custo X efetividade, porque permitem um melhor direcionamento da terapêutica e evitam gastos com tratamentos desnecessários”, ressalta Sáfadi.

No caso dos testes diagnósticos moleculares rápidos, diminuem-se os erros em casos de doenças do trato respiratório, como Influenza, RSV e Strep A. “Ferramentas diagnósticas mais eficazes podem ser determinantes para diminuir as prescrições equivocadas, além de servirem como uma estratégia de custo X efetividade, porque permitem um melhor direcionamento da terapêutica e evitam gastos com tratamentos desnecessários”, ressalta Sáfadi.

Desde 2016 acontece o Fórum Latino Americano de Point of Care, que tem reunido profissionais de diversas áreas da saúde interessados no assunto. Na edição de 2018, sediada na Colômbia, o especialista em doenças infecciosas, Omar Sued, citou³ entre as vantagens desses testes o baixo custo e viabilidade, acesso, planejamento e estratégias em saúde, forte sinergia entre a medicina de triagem e laboratório, e resultados que ajudam a reduzir a cadeia de transmissão. Segundo o médico, para salvar milhões de vidas que os testes POC são capazes, as barreiras à sua implementação devem ser quebradas através da educação e criação de um novo design que reúne o trabalho dos diversos atores de saúde.

Referências:

1. Clinical Diagnosis of Influenza in the Emergency Department

2. Brochura ID NOW™ Influenza A&B

3. https://pocday.com.br/wp-content/uploads/2017/06/Highlights-POC-DAY_PT.pdf

Tags:

diagnósticos rápidos, Fórum Latino Americano de Point of Care, testes Point of care (POC)

Compartilhe: