Em fevereiro desse ano, o Grupo Fleury passou a ser o laboratório responsável pelos exames de análises clínicas dos pacientes do A.C.Camargo Cancer Center. Essa parceria trouxe resultados significativos que culminaram na extensão desses esforços para a pesquisa clínica. Em um primeiro momento, as instituições já firmaram contrato para ampliar os estudos em imunoterapia

Por Milena Tutumi

Perfil imune de pacientes será determinado por alta tecnologia, única ainda na América Latina. Na foto, o imunologista Kenneth Gollob, do Grupo de Pesquisa em Imuno-Oncologia Translacional do A.C.Camargo

Juntar expertises de dois grandes grupos, em que um agrega a experiência de se trabalhar com grandes volumes de amostras e análises, e o outro, com dados detalhados de pacientes, que permitem se traçar um preciso e valioso histórico da evolução ou não evolução da doença para poderem, dessa forma, mapear situações diversas em câncer, que vão desde encontrar marcadores que possam predizer as respostas a determinadas terapias, oferecer as melhores abordagens de tratamento e as possibilidade de recidivas ou metástases, para exemplificar.

Com esses objetivos, o Grupo Fleury e o A.C.Camargo Cancer Center, respectivamente, estão focados em um estudo clínico em imunoterapia, previsto para durar dois anos, contando com uma equipe totalmente dedicada para pensar em avaliações e estratégias de tratamento aos pacientes do Centro de Imunoterapia dentro do A.C.Camargo que já fazem uso dessa linha terapêutica.

Considerada o quarto pilar do tratamento de câncer, junto da cirurgia, da quimioterapia e da radioterapia, a imunoterapia tem sido recomendada para uso como primeira linha de tratamento em alguns tumores específicos, como o melanoma. Ativando o sistema imune do organismo para combater o câncer, as imunoterapias têm hoje cerca de 35% de respostas positivas dos pacientes tratados, segundo informações da Superintendente de Pesquisa do A.C.Camargo Cancer Center, Vilma Regina Martins. Uma das principais questões é que muitas reações autoimunes acabam se desenvolvendo, por isso, outro foco das pesquisas será a identificação desses pacientes para a tomada de decisão quanto ao recebimento da droga. A busca por melhores respostas tem sido uma constante, assim como os investimentos na área.

Perfil imune

Dra. Vilma Martins, Superintendente de Pesquisa do A.C.Camargo

Um recém adquirido citômetro de fluxo ACSymphony, da BD Biosciences, permite que seja feita a análise do perfil imune do paciente com a leitura de até 30 fatores diferentes em uma única célula, com possibilidade futura de expansão para 50 fatores. Hoje, os citômetros de fluxo analisam cerca de oito parâmetros nas células. O grande diferencial da tecnologia está em permitir a identificação de dezenas de moléculas dentro e fora de cada célula imune ou em células tumorais obtidas a partir de uma biópsia líquida (sangue) ou biópsia do tumor. “Várias partículas poderão ser verificadas ao mesmo tempo, permitindo ainda a análise de partículas isoladamente ou organizadas de acordo com parâmetros definidos”, resume a Dra. Vilma.

A partir dessa nova tecnologia, espera-se entender o que ocorre com cada célula dos pacientes que respondem e os que, mesmo com a indicação, não respondem à imunoterapia. “Assim, por meio de uma análise profunda em laboratório, seremos capazes de entender um padrão entre os pacientes e direcionar a indicação do tratamento para quem realmente se beneficiará dele”, explica o imunologista Kenneth Gollob, que lidera o Grupo de Pesquisa em Imuno-Oncologia Translacional do A.C.Camargo.

No ano passado, o A.C.Camargo constituiu um grupo translacional com multiprofissionais de laboratório, que iniciou um trabalho de pesquisa orientada ao paciente. Esse olhar conjunto sobre os pacientes em tratamento com imunoterapia deu origem ao Centro de Imunoterapia e, mais recentemente, ao Centro de Excelência de Fluxo Avançado, laboratório que manterá o novo citômetro de fluxo, ainda único na América Latina.

A metabolômica também tem seu peso nesse primeiro estudo clínico proposto pelas instituições, principalmente com a experiência do Grupo Fleury na área. A ideia é observar o metabolismo do paciente na presença da imunoterapia e as suas respostas à droga: “Vamos poder olhar todas as células imunes que estão circulando no paciente, juntamente com os metabólitos que estão indo para o seu sangue para indicar o perfil desse metabolismo”, explica a Dra. Vilma, do A.C.Camargo.

O estudo clínico dessa parceria também possibilitará a identificação de moléculas em potencial para serem utilizadas como marcadores e, consequentemente, que poderão ser produtos patenteáveis e comerciais.

Entrevista ao Portal LabNetwork: Dr. Edgar Rizzatti, Diretor Executivo Médico e Técnico do Grupo Fleury

“Projetos em parceria buscam aumentar os índices de cura, sobrevida e proporcionar qualidade de vida durante o tratamento do câncer”, Dr. Edgar Rizzatti, Diretor Executivo Médico e Técnico do Grupo Fleury

Como os grupos Fleury e A.C.Camargo se beneficiarão desses estudos em parceria?

A união do conhecimento e tecnologias de duas instituições referência em Saúde no Brasil visa fortalecer a pesquisa em câncer e, dessa forma, colaborar com o desenvolvimento da Oncologia no País e no mundo. A parceria traz agilidade no processo de transferência do conhecimento gerado para a prática clínica e benefícios diretos ao paciente com câncer. A sinergia entre o Grupo Fleury e o A.C.Camargo Cancer Center tem o potencial em inovação no diagnóstico e tratamento oncológico que favorecerá a conduta médica, o paciente e a sustentabilidade do setor de saúde.

E quais os ganhos para os pacientes em geral?

Os projetos contemplados na parceria visam ampliar o conhecimento científico para no futuro levar ao diagnóstico precoce e a maior personalização do tratamento oncológico. Essas abordagens contribuem para maior acurácia no rastreamento de risco de desenvolver a doença e no entendimento do melhor tratamento para cada caso. Com isso, o que se busca é aumentar os índices de cura, sobrevida e proporcionar qualidade de vida durante o tratamento do câncer.

Quais os principais objetivos dos estudos em imunoterapia?

Entre os projetos aprovados, um está voltado para a imunoterapia, linha que tem sido considerada o quarto pilar no tratamento do câncer, junto com a cirurgia, a quimioterapia e a radioterapia. As imunoterapias, conhecidas como inibidores de “checkpoint”, trazem novas opções aos pacientes com câncer e são recomendadas para uso como primeira linha de tratamento em alguns tumores específicos, como o melanoma, e secundários em vários outros casos. Elas ativam o sistema imunológico do paciente para atacar o câncer. No entanto, existem duas questões que dificultam seu uso. Primeiro, nem todos os pacientes respondem às terapias e alguns pacientes desenvolvem efeitos colaterais, como reações autoimunes. Portanto, no âmbito dos medicamentos imunoterápicos, o grande desafio é buscar nas células informações que indicam quais pacientes irão responder ou não ao tratamento. É justamente na identificação de marcadores para a maior eficácia na aplicação da imunoterapia que os estudos se inclinarão. Para isso, o A.C.Camargo e o Grupo Fleury irão trabalhar com análise do perfil imune e metabólico do paciente, com o objetivo de encontrar o que há em comum entre quem responde e quem não responde aos tratamentos dentro dessas duas perspectivas e, assim, concentrar o uso do medicamento em quem realmente vai se beneficiar dele.

Como o Grupo Fleury aplicará sua expertise nessas pesquisas?

Depois de estabelecer parceria com o A.C.Camargo Cancer Center em fevereiro deste ano para ser o responsável pelos exames de análises clínicas de seus pacientes, agora a sinergia estende-se para a pesquisa científica. O Grupo Fleury disponibilizará sua infraestrutura de P&D incluindo plataforma de espectrometria de massa, expertise médica e do time de bioinformática.

O Fleury tem outras parcerias como essa em andamento com outras instituições? Poderia citar alguns exemplos?

O Grupo Fleury possui 23 operações diagnósticas dentro de hospitais, o que possibilita grande transferência de conhecimento e abertura de canal para projetos de pesquisa científica em conjunto, como o exemplo do A.C.Camargo Cancer Center. Nesse âmbito, outras duas parcerias foram estabelecidas em 2018: A parceria técnico-científica com o Hospital Sírio-Libanês, anunciada em março deste ano, promove a capacitação e intercâmbio científico voltado para a educação continuada de médicos e residentes que atuam nas duas instituições e o aperfeiçoamento da assistência aos pacientes. A iniciativa visa proporcionar experiência acadêmica-profissional em campo de trabalho, bem como aprimoramento técnico-científico na formação de médicos e residentes. Outra cooperação técnico-científica internacional para fortalecer a inovação em saúde no Brasil, anunciada em junho de 2018, foi do Grupo Fleury e Grupo Sabin, dois dos maiores players de medicina diagnóstica do País (leia mais aqui).

Tags:

A.C.Camargo Cancer Center, estudo clínico em imunoterapia, Grupo Fleury, metabolômica, perfil imune

Compartilhe: