As doses de plasma foram avaliadas de acordo com três níveis de anticorpos do SARS-CoV-2: carga baixa, média ou alta

Pesquisadores e colaboradores da Mayo Clinic encontraram uma associação entre a administração de plasma convalescente com carga alta de anticorpos e taxas de mortalidade menores para pacientes internados com Covid-19 que não estão utilizando ventiladores pulmonares. Os resultados do estudo “Níveis de Anticorpo em Plasma Convalescente e o Risco de Morte por Covid-19” foram publicados em 13 de janeiro de 2021, no New England Journal of Medicine.

Trata-se de uma análise pré-planejada dos dados de tratamento e resultados de 3.082 pacientes com base na mortalidade 30 dias após o recebimento de uma dose de plasma. As doses de plasma foram avaliadas de acordo com três níveis de anticorpos do SARS-CoV-2: carga baixa, média ou alta. Os dados foram coletados no decorrer de três meses de pacientes inscritos até 4 de julho de 2020, como parte do Programa Nacional de Acesso Ampliado a Plasma Convalescente.

A quantidade de anticorpos nos tratamentos era desconhecida durante o processo, tendo sido determinada somente depois. O grupo de pacientes que recebeu plasma com baixa carga de anticorpos apresentou a taxa de mortalidade mais alta, de 29,6%. A mortalidade dos que receberam o plasma convalescente com carga média de anticorpos ficou em 27,4%. O plasma convalescente com alta carga de anticorpos resultou na menor taxa de mortalidade, de 22,3%. O estudo também demostrou um resultado mais positivo para pacientes que receberam o plasma dentro de três dias após a internação. Não houve nenhum efeito na mortalidade de pacientes que estavam com ventilação mecânica.

Os pacientes selecionados para receber plasma convalescente tinham pelo menos 18 anos, estavam internados com síndrome respiratória aguda grave provocada por coronavírus 2 (SARS-CoV-2) e tinham ou estavam progredindo para Covid-19 grave ou potencialmente letal. O coorte de pacientes era oriundo de 680 centros de atendimento agudo espalhados pelo país. 61% do coorte eram do sexo masculino e 39% do sexo feminino. 47% dos membros do coorte eram brancos, 37% eram hispânicos e 23% eram negros; e 69% tinham menos de 70 anos. Do coorte total de 3.082 pacientes, 2.014 não foram submetidos a ventilação pulmonar antes da transfusão de plasma convalescente.

Os pesquisadores observam que os resultados foram limitados por quantidades reduzidas de dados sobre os anticorpos, formulários de coleta com dados resumidos, detalhes imprecisos sobre a relação entre o uso de outros medicamentos e a transfusão de plasma e ausência de dados devido à natureza de um registro nacional. Eles também afirmam que a interpretação dos dados está limitada pela estrutura de rótulo aberto do estudo, ou seja, há instruções ou controle limitados sobre a administração, bem pela falta de elaboração de um ensaio clínico randomizado tradicional.

Tags:

covid-19, Mayo Clinic, plasma convalescente com carga alta de anticorpos

Compartilhe: