Informe Publicitário

Quando os primeiros casos de HIV surgiram pelo mundo, a Abbott se empenhou em oferecer sua expertise para atuar de maneira incisiva na detecção da doença. Foi quando, em 1985, recebeu a aprovação do primeiro teste licenciado pela U.S. Food and Drug Administration (FDA) para identificar o vírus no sangue1. Em 1994, a essência vanguardista da companhia originou o Programa Global de Vigilância em Doenças Infecciosas Virais, uma das maiores e pioneiras iniciativas na área científica mantida por uma indústria da área de cuidados em saúde

Ao longo desses anos, a Abbott e seus parceiros no programa já sequenciaram mais de seis mil cepas de vírus, que geraram 125 pesquisas científicas revisadas por pares em publicações de alto impacto, deixando um importante legado para a ciência

Com o objetivo de compartilhar conhecimento e inovar em assuntos relacionados às doenças infecciosas virais, um grupo de cinco pesquisadores de ponta foi formado pela Abbott para conduzir um programa específico para vigilância em doenças infecciosas causadas por vírus. Parte das atividades desse time inclui fazer screenings de populações, desenvolver novos produtos a partir de cepas em evolução ou novas cepas, mantendo-se em constante alerta para doenças virais que surgem pelo mundo.

Por meio de parcerias com instituições e universidades de 45 países, incluindo o Brasil, o programa tem desenvolvido importantes pesquisas, com base em um banco de amostras de sangue provenientes dos parceiros, que conta atualmente com mais de 78 mil amostras coletadas. A Abbott mantém uma estrutura nos mais altos padrões de qualidade e refinamento para proteger as amostras e permitir a realização de contratestes para qualquer tipo de doença viral já detectada.

Em 2019, o programa foi responsável pela identificação de uma nova cepa do HIV2, desempenhando significativo papel para novos e mais aprofundados estudos sobre a infecção. Com grande atuação também em pesquisas em hepatite, hoje os pesquisadores envolvidos já estão debruçados sobre as novas cepas do SARS-CoV-2, provenientes do Reino Unido, Brasil e África do Sul para sequenciamento.

Programa apoia múltiplas frentes de combate aos vírus

Uma das peculiaridades do Programa Global de Vigilância em Doenças Infecciosas Virais é a sua atuação em diferentes frentes, buscando achados que ofereçam oportunidades para além do desenvolvimento de testes diagnósticos de ponta: “Também oferecem subsídios baseados nos epítopos específicos para que diversas instituições e indústrias possam monitorar as doenças, desenvolver tratamentos e vacinas”, destaca a médica cirurgiã, Syllene Nunes, Especialista em Atenção Primária e Inovação e Gerente de Iniciativas Estratégicas em Saúde e Soluções Clínicas da Abbott.

Ao longo desses anos, a Abbott e seus parceiros no programa já sequenciaram mais de seis mil cepas de vírus, que geraram 125 pesquisas científicas revisadas por pares em publicações de alto impacto, deixando um importante legado para a ciência.

Referências:

https://www.abbottbrasil.com.br/sobre-a-abbott/nossa-heranca.html

https://saude.abril.com.br/medicina/cientistas-descobrem-um-novo-subtipo-de-hiv/

Tags:

Abbott, doenças infecciosas virais

Compartilhe: