Fora dos holofotes em meio ao risco de chegada do novo coronavírus, a dengue tem voltado a crescer e já somam 30.763 casos prováveis em 2020.

Em encontro com os secretários estaduais e municipais de Saúde para discutir medidas de controle do coronavírus, o Ministério da Saúde (MS) fez um apelo para que a rede de saúde reforce a vigilância contra o novo vírus, mas não perca a atenção para outras e velhas doenças que atingem o país, como dengue, zika, chikungunya e febre amarela.

O avanço da dengue já era esperado por causa da mudança, no último ano, do sorotipo predominante do vírus em circulação, o qual passou a ser o tipo 2. A última vez que esse sorotipo havia circulado com mais força foi em 2008, o que indica a possibilidade de que haja mais pessoas suscetíveis à doença.

Em 2020, foram confirmados 24 casos de dengue grave e 158 casos com sinais de alarme, com cinco óbitos e 49 casos permanecem em investigação.

A região Centro-Oeste apresentou 32,5 casos/100 mil habitantes, em seguida as regiões Sul (28,86 casos/100 mil habitantes), Sudeste (15,1 casos/100 mil habitantes), Norte (10,6 casos/100 mil habitantes) e Nordeste (2,68 casos/100 mil habitantes).

Segundo o infectologista Marcos Boulos, coordenador de grupo de arboviroses da Secretaria de São Paulo, é possível ocorrer dois anos seguidos com alto número de casos, já que a infestação pela doença está aumentando e o Brasil possui uma população muito suscetível, além do aumento no número de casos em determinadas regiões, o que alerta para áreas menos atingidas.

Na Bahia, mais de 65,5 mil casos prováveis de dengue foram notificados em 93% dos municípios do estado no ano de 2019. O número em 2018 foi de pouco mais de 9,5 mil, o que representa um crescimento de 603% em 12 meses. Em entrevista ao jornal da Bahia, o médico infectologista Claudilson Bastos destacou a importância de diagnóstico das três doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. A confusão ou o autodiagnóstico de alguma dessas infecções reforça a possibilidade de contrair, em outo momento, formas mais severas da doença, a exemplo da dengue, e não tomar cuidados necessários com a zika pode trazer problemas principalmente no caso das mulheres grávidas.

Em Minas Gerais em 2020 já foram registrados 6.988 casos prováveis de dengue. Já em relação à zika, em 2020 foram registrados 52 casos, sendo seis em gestantes e 131 casos prováveis de chikungunya, sendo dois casos em gestantes.

Para o diagnóstico da Dengue, a ECO Diagnóstica disponibiliza produtos por imunofluorescência (FIA) e imunocromatografia (TR).

– ECO F Dengue IgG/IgM

– ECO F Dengue NS1

– Dengue IgG/IgM ECO Teste

– Dengue Ag ECO Teste

– Dengue DUO ECO Teste

A tecnologia FIA apresenta um sistema de imunoensaio fluorescente com marcador európio com resultados em valor de Índice de Corte (COI), para avaliar o nível de infecção do paciente e em pesquisa de anticorpos, diferenciar se a infecção é primária ou secundária, retirando qualquer dúvida na leitura do resultado. A linha possui três modelos de aparelho, F100, F200 e F2400 e todos os kits possuem controles disponíveis na Controllab. Os kits são completos com pipeta capilar e tampão diluente e validados em grandes laboratórios do Brasil, comprovando alta sensibilidade e especificidade.

Os testes rápidos (TR) para detecção qualitativa, simultânea e diferenciada de anticorpos IgG e IgM anti-dengue dos quatro sorotipos do vírus (1, 2, 3 e 4) e/ou do antígeno da dengue (NS1), possuem registros na Anvisa e laudo de análise para sensibilidade e especificidade emitido pelo Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS)/Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Os kits são completos, validados em grandes laboratórios e possuem controles positivos e negativos disponíveis na Controllab.

Para mais informações: (31) 3653-2025 / [email protected].

Fontes:

Ministério da Saúde. Boletim epidemiológico volume 51, ano 2020. Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2020/fevereiro/05/Boletim-epidemiologico-SVS-05.pdf

Bahia Notícias. 05 de fevereiro de 2020. Disponível em: https://www.bahianoticias.com.br/saude/noticia/23628-bahia-fecha-2019-com-crescimento-de-603-nos-casos-provaveis-de-dengue.html

Secretaria de Estado de Minas Gerais: Boletim Epidemiológico de Monitoramento dos casos de Dengue Chikungunya e Zika 904/02). Disponível em: http://www.saude.mg.gov.br/images/noticias_e_eventos/000_2020/Boletins_Aedes/Boletim%20N%20164%20-%2003-02-2020.pdf

Notícia disponível em: https://www.otempo.com.br/super-noticia/%C3%BAltimas/com-medo-de-coronavirus-brasil-tem-alta-de-71-em-casos-de-dengue-1.2295091

Tags:

Controllab, dengue, ECO Diagnóstica, Európio, imunocromatografia, Imunofluorescência

Compartilhe: