Entre as causas para o aumento nas importações de reagentes está o aumento da conscientização sobre a importância do diagnóstico precoce e preciso

O uso racional das informações proporcionadas por diagnóstico precoce  e preciso traz inúmeras vantagens para todos os atores envolvidos

Levantamento e análise de dados feitos pela Câmara Brasileira de Diagnóstico Laboratorial (CBDL) sobre o ano de 2017 revelam que, apesar do desempenho negativo das importações de materiais e equipamentos para setor de diagnóstico in vitro (IVD), a área de reagentes apresentou expressivo crescimento de cerca de 21,5% sobre o ano anterior.

Entre janeiro e dezembro de 2015, as importações de reagentes alcançaram o valor de R$ 3,01 bilhões; no mesmo período de 2016, R$ 3,25 bilhões, indicando um crescimento de 7,87%; e durante o ano de 2017, R$ 3,95 bilhões, de acordo com dados do SECEX compilados pela Websetorial.

Segundo o presidente-executivo da CBDL, Carlos Eduardo Gouvêa, entre as causas para o aumento nas importações de reagentes estão o “aumento da conscientização sobre a importância do diagnóstico precoce e preciso, principalmente se considerarmos que cerca de 75 a 80% das decisões médicas baseiam-se em diagnóstico, bem como a expansão dos grandes laboratórios em busca de escala. O interessante é que as exportações de reagentes também cresceram pelo segundo ano consecutivo, confirmando esta tendência global.”

Já no caso da diminuição, por dois anos consecutivos, das importações de equipamentos, deve-se tal fato principalmente à crise que afetou investimentos em capital, ampliando-se a vida útil do parque de equipamentos através de manutenções preventivas mais frequentes. Investimentos em atualização tecnológica foram, em muitos clientes, adiados.

“O uso racional das informações proporcionadas por diagnóstico precoce  e preciso traz inúmeras vantagens para todos os atores envolvidos: para o médico, uma informação essencial para indicar o melhor tratamento; para o paciente, possibilidade de acesso a terapias mais eficazes e rápidas e para o sistema de saúde, menor custo geral, já que evita-se o desperdício com tratamentos não adequados ou eficazes”, explicou.

Tags:

Câmara Brasileira de Diagnóstico Laboratorial, diagnóstico in vitro, reagentes

Compartilhe: