Por: Dr. André Marcio Murad*

O teste genético do câncer hereditário usando painéis genéticos abrangentes pode identificar pacientes com mais de uma mutação patogênica em genes associados a riscos altos e/ou moderados de câncer. Esse fenômeno é conhecido como Síndrome da Neoplasia Hereditária Multilocus (MINAS), a qual tem sido potencialmente ligada a manifestações clínicas mais graves, sendo recentemente descrita.

Um estudo recente avaliou uma coorte de 1.023 pacientes não relacionados com suspeita de câncer hereditário, submetidos a um painel germinativo multigênico validado, incluindo até 135 genes associados ao câncer hereditário e a facomatoses.

Treze (1,37%) pacientes portadores de duas mutações patogênicas nos genes de herança dominante predisponentes ao câncer foram identificados, representando 5,7% (13/226) dos pacientes com mutações patogênicas. A maioria (10/13) desses casos apresentou manifestações clínicas associadas a apenas uma das mutações identificadas.  Um caso mostrou mutações em MEN1 e MLH1 o qual desenvolveu tumores associados a ambas as síndromes de câncer.

Curiosamente, três dos pacientes com mutações duplas tinham uma idade jovem de início ou fenótipo grave de câncer de mama e apresentavam mutações nos genes associados ao reparo de danos ao DNA de risco moderado abaixo, dois deles apresentaram inativação bialélica do gene CHEK2. Estes dois pacientes foram incluídos na análise de k prol de seu interesse clínico, embora os autores estivessem cientes de que eles não cumprem exatamente a definição de MINAS, pois ambas as mutações estão no mesmo gene.

Caso clínico da clínica personal – oncologia de precisão e personalizada  

Sexo feminino, 59 anos, portadora de câncer de mama bilateral (mama direita em 2007) e esquerda em 2012.

– Ambos carcinomas in situ com receptores hormonais positivos, submetida a quadrantectomia em ambas as mamas e radioterapia bilateral (QUART). Fez uso de tamoxifeno adjuvante por cinco anos e posteriormente raloxifeno por três anos e não recebeu quimioterapia.

Histórico familiar: chamou a atenção o histórico familiar da paciente, com vários parentes de primeiro e segundo grau (maternos e paternos) com diferentes tipos de câncer: mama, estômago, cólon e próstata, em idade abaixo de 55 anos. Não etilista, não tabagista, alimentação saudável, atividade física irregular.

História pregressa:  histerectomia em 2006 devido a miomas.

Devido a este histórico, suspeitou-se de uma síndrome hereditária de predisposição ao câncer e um painel de triagem germinativa com 20 genes + CNV (análise de variações no número de cópias de cada gene) foi solicitado (Painel de Triagem Germinativa – Laboratório Personal de Oncologia de Precisão). O exame identificou uma mutação patogênica em TP53 (R337H) e também uma mutação patogênica de MSH2 (I704T). Portanto, trata-se de uma Síndrome da Neoplasia Hereditária Multilocus (MINAS), no caso, uma combinação da Síndrome de Li  Fraumeni com Síndrome de Lynch.

Devido ao diagnóstico, Dr. Andre Murad orientou que a paciente fizesse uma dieta saudável, atividades físicas regulares, manutenção do peso ideal, consulta anual com ressonância nuclear magnética de corpo inteiro, além de colonoscopia e endoscopia digestiva alta, também anuais.

A paciente foi orientada a não realizar de exames ou tratamentos que envolvam irradiação. Estabelecemos o rastreio destas mutações para os familiares e uma equipe multidisciplinar irá decidir sobre a indicação de mastectomia e salpingooforectomia bilaterais redutoras de risco e uso profilático de aspirina (paciente já submetida à histerectomia).

Figura representativa do laudo com resultado do painel de 20 genes.

* Professor Adjunto Coordenador da Disciplina de Oncologia da Faculdade de Medicina da UFMG é Diretor Clínico da Personal – Oncologia de Precisão e Personalizada e Diretor Científico do Laboratório Personal de Genética Molecular de Belo Horizonte, MG. Pós-Doutor em Genética pela UFMG. Diretor Científico do GBOP. Consultor científico da Twist Bioscience e Molecular Biotecnologia.

Referência Bibliográfica:

Stradella A, del Valle J, Rofes P, et al. Does multilocus inherited neoplasia alleles syndrome have severe clinical expression? Journal of Medical Genetics 2019; 56:521-525.

Contato:
Molecular Biotecnologia
(31) 3658-5366
[email protected]
Twist Bioscience

Tags:

Síndrome da Neoplasia  Hereditária Multilocus, teste genético do câncer hereditário

Compartilhe: