A utilização da ferramenta diagnóstica é capaz de auferir diversos benefícios como a redução do uso de antibióticos, já que pode identificar infecções não-bacterianas

Os exames diagnósticos têm um papel fundamental na luta contra a resistência antimicrobiana (AMR – antimicrobial resistance, em inglês). Segundo estimativas alarmantes, mais de 10 milhões de pessoas poderão morrer por ano, até 2050, em função do mal.

A questão já é encarada pelos especialistas como ameaça à saúde pública global. De acordo com Carlos Eduardo Gouvêa, presidente executivo da Câmara Brasileira de Diagnóstico Laboratorial (CBDL) e dirigente da Aliança Latino America para o Desenvolvimento do Diagnóstico in Vitro (Aladdiv), cada vez mais urge a necessidade de um plano de ações contra a expansão da AMR. “É preciso investir no desenvolvimento de novas tecnologias para os testes diagnósticos para auxiliar na identificação dos agentes causadores da AMR”, alertou.

A utilização da ferramenta diagnóstica é capaz de auferir diversos benefícios como a redução do uso de antibióticos, já que pode identificar infecções não-bacterianas; acelerar decisões médicas sobre diagnóstico e tratamentos; conferir apoio ao diagnóstico precoce e de infecções resistentes a medicamentos; monitorar surtos; prevenir o alastramento de organismos resistentes e dar suporte aos programas de infecção hospitalar.

Para adotar  práticas que evitem ou reduzam a AMR é preciso seguir alguns passos, entre eles, incorporar o diagnóstico nas práticas de prescrição em bases globais, aumentar o acesso a testes de diagnóstico e ampliar os locais de testagem em todos os países e estabelecer incentivos para a adoção de ferramentas inovadoras de diagnóstico em diversos âmbitos, incluindo os testes rápidos (POC – point of care).

Gouvêa comenta ainda que iniciativas como a Semana Mundial de Conscientização sobre Uso Racional de Antibióticos (12 a 18 de novembro), pela OMS – Organização Mundial da Saúde,  propicia o envolvimento de todos os atores que são os agentes de mudança para reverter esta grande ameaça.  “Afinal, boa parte do problema se deve pelo uso excessivo e descontrolado de antibióticos, por pacientes que iniciam e abandonam seus tratamentos ou até mesmo pelo uso inadequado e excessivo de antibióticos em  animais, isto sem contar problemas de ordem de higiene ou mesmo fraco controle das infecções hospitalares. Assim, a CBDL encara como sua missão colaborar com o esclarecimento sobre a importância e a difusão do papel do diagnóstico, peça essencial na luta contra a resistência antimicrobiana”, conclui.

Tags:

exames diagnósticos, POC - point of care, resistência antimicrobiana

Compartilhe: