Projeto conduzido na Unesp de Rio Claro em parceria com cientistas ingleses busca desenvolver estratégias de controle do cancro cítrico usando enzimas derivadas de bacteriófagos

O projeto “Xanthomonas citri subsp. citri citrus canker in São Paulo. Molecular epidemiology and biocontrol potential of bacteriophage and their depolymerases” dispõe de uma Bolsa de Pós-Doutorado da FAPESP. O prazo para inscrição de interessados termina no dia 14 de junho de 2019.

A pesquisa é conduzida no Instituto de Biociências (IB) da Universidade Estadual Paulista (Unesp), em Rio Claro, com financiamento da FAPESP e da agência inglesa Biotechnology and Biological Sciences Research Council (BBSRC). A cooperação bilateral entre Brasil e Inglaterra visa a realização de estudos epidemiológicos e evolutivos do fitopatógeno Xanthomonas citri citri e o desenvolvimento de estratégias de controle do cancro cítrico usando enzimas derivadas de bacteriófagos.

Os experimentos serão conduzidos no campus da Unesp de Rio Claro e na Manchester Metropolitan University (MMU), no Reino Unido.

Exige-se para a vaga título de doutor em ciências biológicas, bioquímica, microbiologia, genética de microrganismos ou áreas correlatas obtido há no máximo dois anos.

O candidato deve ter experiência em genética de bactérias fitopatogênicas, genética da interação planta-patógeno, bioquímica de ácidos nucleicos e proteínas e biologia molecular. Experiência prévia em genética e transformação de plantas de citros e desafio com Xanthomonas citri serão bem-vindos.

Para a inscrição é necessário enviar currículo atualizado, carta de apresentação indicando a razão de interesse na posição, com um breve relato de sua experiência, e duas cartas de referência para o e-mail do coordenador do projeto, o professor Henrique Ferreira ([email protected]).

Mais informações sobre a vaga aqui.

A oportunidade de pós-doutorado está aberta a brasileiros e estrangeiros. O selecionado receberá Bolsa de Pós-Doutorado da FAPESP no valor de R$ 7.373,10 mensais e Reserva Técnica equivalente a 15% do valor anual da bolsa para atender a despesas imprevistas e diretamente relacionadas à atividade de pesquisa.

Caso o bolsista de PD resida em domicílio fora da cidade na qual se localiza a instituição-sede da pesquisa e precise se mudar, poderá ter direito a um auxílio-instalação. Mais informações sobre a Bolsa de Pós-Doutorado da FAPESP estão disponíveis aqui.

Compartilhe: